Edição nº 1149 02.12 Ver ediçõs anteriores

Fundador da Wikipedia lança rede social sem anúncios

Fundador da Wikipedia lança rede social sem anúncios

A promessa é quase utópica. Mas anos atrás a Wikipedia também era uma utopia. Então é bom ficar de olho nesta nova empreitada de Jimmy Wales, cofundador da enciclopédia livre da web. Ele está criando a rede WT: Social, plataforma de mídia social sem anúncio, que promete um feed com algoritmo plugado na atualidade do conteúdo e não no engajamento ou num eventual impulsionamento pago. Mais: ele também garante nunca vender seus dados pessoais. Até terça-feira, quase 200 mil pessoas já haviam se inscrito no WT: Social. A rede é gratuita, mas há uma lista de espera para novos usuários, que desaparece instantaneamente se você doar R$ 25 mensais ou R$ 249 ao ano. “Cheguei à conclusão de que o que gera mídia de baixa qualidade é o suporte da publicidade (…). O Facebook, o Twitter e outras redes sociais geram receita com base no tempo que você fica no site deles olhando e clicando em publicidade. O engajamento é priorizado em detrimento da qualidade”, disse Wales em um post na WikiTribune, antes de transformar a antiga plataforma na WT: Social.

(Nota publicada na Edição 1148 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Microsoft apoia empreendedorismo feminino no Brasil

As mulheres ainda não têm presença marcante no empreendedorismo digital – e isso não é segredo para ninguém. Elas são apenas 15,7% dos [...]

Celular, o preferido dos americanos para notícias

Cada vez mais usuários de internet leem notícias pelo smartphone, em detrimento de desktop e laptop. Pelo menos entre os [...]

Tubi, na Amazon

A plataforma de streaming de video Tubi agora está disponível nos dispositivos Amazon Echo Show. Claro, por enquanto, nos EUA. É o primeiro serviço de vídeo gratuito (financiado por anúncios) oferecido no streaming da Amazon. Agora, o usuário americano manda o Alexa – comando de voz do mega e-commerce – passar o filme. O Tubi […]

Sustômetro

O guia Mozilla dos dispositivos mais “assustadores” começa com esta pergunta: “O quão assustador (creepy) é aquele alto-falante [...]

Os brasileiros e os influenciadores digitais

A julgar por pesquisa realizada pela Spark, empresa de marketing de influência, em parceria com o Instituto Qualibest, de pesquisas [...]
Ver mais