Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

FTC investiga YouTube

FTC investiga YouTube

A temida FTC (Federal Trade Commission) investiga o YouTube por coletar indevidamente dados de crianças. A investigação acontece após denúncias formalizadas por diferentes grupos de defesa do consumidor, que dizem que a plataforma, de propriedade da Alphabet/Google, violou a Lei de Proteção à Privacidade On-line das Crianças. A notícia foi veiculada pelo The Washington Post e a empresa não quis comentar. A possibilidade de uma pesada penalidade contra o YouTube – incluindo um acordo para que mude suas práticas para proteger melhor as crianças – pode sinalizar uma nova fase na aplicação da lei de privacidade infantil pela FTC, que muitos críticos dizem ter ficado defasada em meio às mudanças tecnológicas.

(Nota publicada na Edição 1126 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Fim da fila em empreendedorismo feminino

São Paulo, única cidade brasileira no ranking das 50 cidades mais promissoras para o empreendedorismo feminino, ocupa o fim da fila no [...]

1,025 bilhão

Número de downloads feitos em aparelhos Android do game Subway Surfers. É o app de jogos mais baixado (Nota publicada na Edição 1130 da [...]

Toys “R” us volta tecnológica e e imersiva

Uma virada e tanto. Nada menos que isso. A Toys “R” Us, icônica rede varejista de brinquedos americana que faliu no ano [...]

Google e Facebook entram na lista de veículos de comunicação

Google, Facebook e suas plataformas coligadas, como YouTube e Instagram, passaram a ser classificados como veículos de comunicação. A [...]

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Bill Gates soltou a língua. Há duas semanas resolveu dizer numa entrevista qual foi o maior de todos os erros que cometeu na carreira [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.