Giro

Frio e coronavírus levam Campos do Jordão a fechar comércio em fim de semana

A queda na temperatura e o aumento nos casos de coronavírus levaram a prefeitura de Campos do Jordão, interior de São Paulo, a decretar o fechamento do comércio em fim de semana. A cidade é o principal destino do turismo de inverno no estado e, em épocas normais, recebe até 150 mil visitantes por fim de semana nessa estação. Com a pandemia, o número de turistas caiu e a cidade recebeu 33 mil pessoas no último fim de semana. Os casos de coronavírus subiram de 156 para 416 em um mês e as mortes aumentaram de uma para dez.

A prefeitura vê relação entre o aumento de casos e a volta dos turistas após a flexibilização no comércio e na rede hoteleira. O decreto prevê que, a partir desta sexta-feira, 31, o comércio não essencial, imobiliárias, escritórios, shoppings e galerias irão abrir somente de segunda a quinta-feira, das 10 às 16 horas. O horário de funcionamento foi ampliado em duas horas, mas tudo fecha a partir da tarde de quinta até a manhã de segunda. Apenas os sistemas de delivery e drive-thru em restaurantes podem operar para atender quem estiver em hotéis – que operam com 50% da capacidade – e os moradores, que podem pedir comida para consumo em casa. A medida vigora até nova deliberação.

Conforme o prefeito Fred Guidoni (PSDB), a preocupação é com a alta taxa de ocupação de leitos hospitalares. Nesta sexta-feira, 21 pacientes estavam hospitalizados, sendo oito em UTI, maior número desde o início da pandemia. “O que podíamos fazer em nível municipal está sendo feito, do ponto de vista tributário, da atenção básica e de saúde, incluindo a instalação de UTI em parceira com o governo estadual. Nos últimos dias, infelizmente, a cidade vem registrando em média 10 novos casos de covid-19 e, nesta semana, foram quatro óbitos.”

A medida, segundo ele, foi tomada em consenso, durante reunião com representantes do Sindicato dos Hotéis e Restaurantes, e da Associação Comercial. Guidoni lembrou que o município aprovou um plano de marketing para fomentar o turismo na serra, criando uma nova temporada nos últimos meses do ano, início do verão. No ano que vem, o governo estadual planeja dois festivais de arte na cidade. “Mas, todo esse esforço não tem nenhum sentido se não controlarmos a pandemia agora”, disse.

A cidade está na fase laranja do Plano São Paulo de reabertura das atividades econômicas, a segunda mais restritiva. Os moradores se acostumaram com os carros de som na rua, alertando para a necessidade de ficar em casa e sobre o uso obrigatório de máscara. Em todos os relógios digitais espalhados pela cidade para registrar as baixas temperaturas, podem ser vistas mensagens alusivas à pandemia. O coronavírus levou ao adiamento do principal evento turístico da cidade, o Festival de Inverno, em sua 51a edição. Os 110 concertos estão programados para o período de 2 a 31 de janeiro de 2021.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?