Economia

Franco avalia que mudança no CMN não afeta equilíbrio de forças para decisões

O ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco afirmou nesta quarta-feira, 2, que a mudança na composição do Conselho Monetário Nacional (CMN) não afetará o equilíbrio de forças nas decisões do colegiado. Na nova formação do Conselho definida pelo governo de Jair Bolsonaro, terão poder de voto no CMN o ministro da Economia e o Secretaria Especial de Fazenda do Ministério da Economia, além do presidente do Banco Central. “Lembro que, na Medida Provisória do Plano Real, tínhamos previsão de dois representantes do CMN – Fazenda e Banco Central -, mas a Casa Civil entendeu que tinha que ter no mínimo três”, disse Franco ao chegar para a cerimônia de transmissão de cargo para o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O ex-presidente do BC afirmou ainda aguardar com grande expectativa o discurso que será feito pelo novo ministro Paulo Guedes, em busca principalmente de sinais em relação à qual será a proposta da reforma da Previdência. “Seguramente, deve ser algo mais ambicioso (do que o texto atualmente no Congresso)”, disse Franco.

Gustavo Franco disse também que o ambiente de inflação baixa está favorável à manutenção da política monetária pelo BC e que, se houver endereçamento do problema fiscal do País, haverá mais chance de uma queda de juros do que de aumento.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel