Foxconn diz adeus ao Brasil

Foxconn diz adeus ao Brasil

A taiwanesa Foxconn, responsável pela montagem dos produtos Apple, prometeu investir R$ 1 bilhão e criar até 100 mil empregos para montar iPhones e iPads no Brasil. O início dessa história, em 2011, foi promissor e a empresa alugou dois galpões num condomínio logístico de Jundiaí. Agora, o cenário mudou.

A linha de produção do iPad foi desativada e voltou para Taiwan. Os funcionários trabalham na desmontagem e venda de máquinas e equipamentos. Com isso, um dos galpões está sem uso e praticamente vazio. O destino do segundo também é incerto. A expectativa é que os iPhones deixem de ser produzidos no País, em breve.

O que se comenta nos corredores da Foxconn é que a imposição do presidente dos EUA, Donald Trump, em cobrar que os produtos americanos sejam produzidos localmente mexeu com os taiwaneses. Além disso, a crise econômica, a instabilidade política e a baixa produtividade da mão de obra brasileira contribuem para essa decisão de sair do Brasil. Por aqui, só ficaria uma pequena estrutura de peças de reposição para os produtos.

(Nota publicada na Edição 1022 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Márcio Kroehn)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Sobre o autor

Hugo Cilo é editor de negócios da Revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.