Edição nº 1095 09.11 Ver ediçõs anteriores

Ford Mustang, um lançamento histórico que esperou 54 anos

Foi uma espera de mais de cinco décadas. Mas agora os consumidores brasileiros que dispõem de R$ 299.900 podem comprar o mito com motor V8 de 466 cavalos e câmbio de dez marchas na rede de concessionárias

Ford Mustang, um lançamento histórico que esperou 54 anos

Ford Mustang: um monstro de 466 cavalos com câmbio de dez marchas, pronto para a pista ou para a cidade, lançado este ano no Brasil

Nunca antes na história deste País um carro foi tão aguardado. Depois de 54 anos e seis gerações, finalmente a Ford começou a vender o Mustang no Brasil. Claro que o mito americano já tinha sido comercializado em terras brasileiras, mas nunca de forma oficial. Ao longo da história, mais de 1.600 unidades das seis gerações do Mustang foram vendidas no Brasil – porém sem a assistência técnica, a garantia e todas as regalias de quem compra um carro importado diretamente por um fabricante.

O Mustang segue o rumo do Chevrolet Camaro e a pré-venda indica que será um sucesso de vendas. Não é para menos. Afinal, o Mustang é um daqueles carros que transcendem a sua função de transportar. Seu significado é muito maior. Lançado em 1964, por inspiração de Lee Iacocca, investimento de Henry Ford II e conhecimento técnico de Donald Frey, o Ford Mustang foi a resposta da indústria automobilística dos EUA aos desejos de liberdade e consumo da geração pós-guerra, os chamados baby boomers.

O Mustang nasceu como um carro jovem e com espírito esportivo, mas focado tanto no público masculino como no feminino. Ele surgiu para desconectar os baby boomers da realidade de guerra que haviam experimentado na infância. O carro foi um grande sucesso desde sua primeira geração, conquistando a simpatia dos homens e o coração das mulheres. Não demorou para ganhar versões puramente esportivas. Tanto que em 1967 surgiu o Chevrolet Camaro para lhe fazer frente – e os dois conquistaram seu espaço. Mas, por aqui, o Camaro chegou primeiro. Agora, finalmente, os dois pony cars podem se enfrentar no mercado brasileiro.

Hoje, tanto o Mustang quanto o Camaro são esportivos de alto desempenho – especialmente nas versões escolhidas para o Brasil. Afinal, esse mercado ainda é um luxo para os brasileiros. Responde em média por 0,07% das vendas. No ano passado, devido à expectativa criada pela chegada do Mustang, caiu para 0,05%, mas com ele deve subir esse ano para 0,12%. Existe uma parcela de 164,5 mil brasileiros que têm mais de US$ 1 milhão em caixa (não apenas como patrimônio) para comprar esses carros. Mas o Mustang vai muito além: o carro possui dois fãs-clubes oficiais no País e seu hot site já recebeu quase 1,5 milhão de visitas.

Por tudo isso – e pela avançada tecnologia que chega junto com a sexta geração –, o lançamento oficial do Mustang é um momento histórico para o mercado brasileiro. Como não poderia deixar de ser, a revista Motor Show traz em sua edição impressa a avaliação completa desse carro que muitos não podem comprar, mas todos querem conhecer.


Mais posts

Onix e Compass já têm mais vendas diretas do que as picapes

As vendas de automóveis no Brasil estão mudando com uma velocidade sem precedentes. Não apenas os tipos de carros são outros, mas [...]

FCA lançará três crossovers Fiat, um novo SUV da Jeep e a picape RAM no Brasil

Presidente da Fiat Chrysler Automobiles fala sobre os investimentos da empresa no País até 2022. Globalmente, a FCA investirá 45 [...]

Yaris chega competitivo e completa a estratégia da Toyota

O novo compacto premium da marca japonesa começa a ser produzido em Sorocaba e fica posicionado entre o Etios e o Corolla

Gol desaba na Argentina, mas Volkswagen ainda é líder

Crise econômica no governo Macri afeta as vendas do carro mais vendido do nosso vizinho sul-americano

Quando o carro mata, a culpa pode ser nossa

Nem sempre o veículo, a estrada ou a sinalização das ruas são os responsáveis pelos acidentes. Veja o que você pode fazer para dirigir [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.