Economia

FMI pede reestruturação das dívidas de países mais pobres

FMI pede reestruturação das dívidas de países mais pobres

(Arquivo) A diretora do FMI, Kristalina Georgieva - AFP/Arquivos

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está alarmado com a incapacidade potencial de algumas economias emergentes de se recuperar do impacto do coronavírus e pediu a promoção de reformas para evitar uma crise da dívida em algumas das nações mais pobres.

A diretora-gerente da entidade, Kristalina Georgieva, alertou para o risco de inadimplência soberana se as medidas temporárias de alívio da dívida que foram adotadas este ano promovidas pelo Banco Mundial e pelo G20 não forem prolongadas e se os contratos não forem revisados.

“Nenhuma crise de dívida ocorreu graças a medidas políticas decisivas de bancos centrais, autoridades fiscais, credores bilaterais oficiais e instituições financeiras internacionais no início da pandemia”, observou em um blog da instituição nesta quinta-feira com seus colegas Ceyla Pazarbasioglu e Rhoda Weeks-Brown.

“Essas ações essenciais rapidamente se tornam insuficientes”, resumiram.

Georgieva pediu recentemente ao G20 que estendesse o congelamento de alguns pagamentos de empréstimos oficiais bilaterais para países pobres até 2021.

“Os seus atuais beneficiários serão obrigados a recorrer a medidas de austeridade para retomar o serviço da dívida, agravando o sofrimento humano já causado pela crise”, ressaltaram.

Eles indicaram ainda que essa extensão poderia estar relacionada aos programas do FMI e do Banco Mundial para reduzir a vulnerabilidade da dívida.

O FMI promove “cláusulas que reduzem o pagamento da dívida ou suspendem automaticamente esses pagamentos, em caso de catástrofe natural e outros choques econômicos importantes”.

Os países devem melhorar a transparência de sua dívida para que os credores possam tomar decisões informadas.

“Eles hesitarão em participar de reestruturações, a menos que conheçam as condições acordadas com outros credores”, disse Georgieva. Os países devedores são convidados a buscar acordos com todos os seus credores, públicos e privados, “em condições semelhantes”.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?