Flocos de diamante

Flocos de diamante

Em 1945, o judeu alemão Hans Stern conseguiu fugir do nazismo e se mandou para o Brasil, onde naturalizou-se e fundou, no Rio de Janeiro, um pequeno escritório de compra e venda de pedras preciosas. Hoje, exatamente 75 anos depois, seu tímido negócio se tornou uma das maiores joalherias do mundo, com 280 lojas em cerca de trinta países, 3 mil funcionários e que atende pelo nome de H. Stern. Neste ano de celebração, uma das peças de destaque da grife é o colar de ouro nobre 18 quilates e diamantes, da linha Snowflake. O delicado design da peça foi inspirado nos flocos de neve – daí, o nome da coleção – e nos movimentos que realizam quando caem do céu. A equipe da H. Stern transformou esse espetáculo da natureza numa joia com quase trinta pedras de diamante encravadas em espécies de gotas de ouro. Com o preço cheio de R$ 18.700, o colar tem desconto de 10% para pagamentos à vista e frete grátis para todo o Brasil.

(Nota publicada na edição 1180 da Revista Dinheiro)

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago



Sobre o autor

Luciana Lancellotti é editora de Estilo da DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.