Ciência

Fiocruz pede ajuda do Itamaraty para negociar vacina da Índia

Crédito: Divulgação - Fiocruz

A Índia anunciou nesta segunda-feira (4) que não permitirá a exportação de doses da vacina contra o coronavírus nos próximos meses (Crédito: Divulgação - Fiocruz)

A pneumologista e pesquisadora da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Margareth Dalcolmo, disse nesta segunda-feira (4) que o Itamaraty precisa entrar na negociação com a Índia para garantir a entrega dos 2 milhões de doses da vacina que estavam contratadas pela Fiocruz.

Nesta segunda-feira, a Índia anunciou que não permitirá a exportação de doses da vacina nos próximos meses. O imunizante produzido no país foi desenvolvido pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford e é a principal aposta do governo brasileiro para a vacinação contra o novo coronovírus.

+ Índia vai barrar exportação de vacina da AstraZeneca, diz CEO de instituto
+ Fiocruz tenta reverter veto da Índia a exportação e garantir vacinação em janeiro

Em entrevista à GloboNews, a pesquisadora reconheceu que o número de doses que seriam importadas neste primeiro momento, 2 milhões de unidades, é irrisório diante da população brasileira. No entanto, seria o início da campanha de vacinação no País, o que se torna bastante representativo.



Além disso, Fiocruz terá a própria produção, já que tem parceria com Oxford/AstraZeneca para a fabricação da vacina por aqui. A expectativa da Fiocruz era de c0meçar a vacinação ainda em janeiro, mas a decisão da Índia pode prorrogar este prazo.

Margareth disse ainda que não é admissível que a vacina da Pfizer não possa ser usada no Brasil. Ela afirmou que entidades públicas e privadas, especialmente nos grandes centros, têm condições de armazenar o medicamento na temperatura indicada pelo fabricante (-70º).

Sugere que essa vacina seja usada nas regiões metropolitanas e as opções dos outros laboratórios, que não precisam de temperatura tão baixa, fosse destinada para regiões que não têm condições logística para receber esse imunizante. “Não é admissível que a vacina da Pfizer não tenha sido negociada previamente e que não possa ser usada no Brasil”, disse.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel