Finanças

Fintech lança crédito com taxa de juros entre 0,69% e 1,49% ao mês, com Bitcoin como garantia

Crédito: a

O usuário deve fazer um cadastro na plataforma e solicitar seu pedido de crédito (Crédito: a)

A Rispar lançou uma linha de crédito com taxa de juros a partir de 0,69% ao mês e chega até 1,49% para Pessoa Física. A fintech consegue essa taxa pois é necessário oferecer Bitcoin como garantia.

Para realizar o processo, o usuário deve fazer um cadastro na plataforma e solicitar seu pedido de crédito. É feita uma análise e verificação das informações enviadas – sem passar por birôs de crédito, como SPC ou Serasa. Com a aprovação, ele envia os Bitcoins para uma carteira da Rispar e recebe o valor pedido em sua conta. Depois, os Bitcoins são devolvidos.



A Rispar oferece um simulador em sua plataforma, que pode ser acessada neste link.

+ Banco lança linhas de crédito com garantia de carro e imóvel, inclusive de terceiros

+ Crédito concedido por bancos deve crescer 11,1% este ano, estima BC

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Segundo a fintech, toda a movimentação é regida por um contrato de CCB (Cédula de Crédito Bancário) e conta com uma securitização, um instrumento juridicamente legal.

A Rispar ressalta que está de acordo com as normas do Banco Central e conta com parceiros, como a BitGo, empresa norte-americana de confiança e segurança de ativos digitais, e a QR Capital, gestora de investimentos alocada em criptoativos.


Amortização de crédito

Além das taxas, a fintech passa a contar com uma nova forma de amortização (pagamento das parcelas) do crédito oferecido. Atualmente é utilizada a tabela Price, mais comum no Brasil, na qual o cliente paga juros e amortiza a dívida todos os meses, em parcelas iguais. Agora, será adotado o sistema americano, também conhecido por aqui como “balão”, em que o cliente paga apenas os juros mensalmente e quita (ou refinancia) a dívida no último mês.

Com poucos meses de operação, a Rispar tem cerca de R$ 5 milhões em Bitcoins sob custódia. A projeção é que, até o final de 2021, a base de usuários supere 10 mil e o valor em crédito ofertado já tenha dobrado.