Conta Simples

Fintech Conta Simples mira diversidade e prevê dobrar colaboradores com 200 vagas em 2022

Após triplicar quadro de colaboradores em apenas um ano, empresa chega a 36% de mulheres no time e investe no recrutamento de talentos com foco em diversidade

Atenta à política da diversidade e de olho na demanda interna pela expansão de vagas, a fintech Conta Simples deve dobrar o número de colaboradores, até o fim do ano. A expectativa é de 200 novas posições em 2022, com 60 oportunidades no primeiro trimestre. Apenas em janeiro, a fintech já recrutou 19 pessoas e segue com mais de 20 vagas abertas. A escalada segue o crescimento acelerado de 475% do negócio em 2021, quando a empresa triplicou o quadro de colaboradores e alcançou a marca de 36% de mulheres no time.

Entre os cargos de liderança, as posições ocupadas por mulheres representam um terço do total de colaboradores. E a meta é avançar nesses números, como explica o CEO e cofundador da Conta Simples, Rodrigo Tognini. “Queremos nos desenvolver de forma ética, responsável e coletiva. Por isso, pensar em processos de inclusão e se preocupar com a diversidade tem sido um movimento importante para a Conta Simples”, afirma.

O patamar atingido pela Conta Simples em relação à contratação de mulheres é expressivo.  Segundo a diretora de Diversidade da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Brasil), Jorgete Lemos, “as empresas que estão indo à frente quanto à inclusão de mulheres em seus conselhos de administração estão colocando a meta inicial de 30% de pessoas do sexo feminino em seus conselhos”.

A especialista afirma que o quesito diversidade, bem como os pilares sustentabilidade e governança, estão diretamente ligados à saúde do negócio. “A política ESG (Enviromental, Social and Governance) ou ASG (Ambiental, Social, Governança) é a própria sustentabilidade empresarial. E a sustentabilidade financeira dos negócios está sendo submetida à observância dos investidores e consumidores, tornando-se elemento-chave para a escolha de opções de investimento e consumo. Este é o ganho: praticar o certo e ser privilegiado”, afirma.

Segundo Jorgete, a ESG está impactando fortemente os stakeholders, que estão mais atentos e demandando maior performance socioambiental e em governança, e ainda, atrelada a resultados financeiros significativos. “As maiores instituições financeiras do país já abriram linhas de crédito bilionárias para empresas que cumprem metas de indicadores sociais, ambientais e de governança, e as empresas que não incorporarem essa prática correm o risco de não serem lembradas pelos investidores e consumidores”, destaca.

A diretora explica ainda que, quando a área financeira se levanta, reconhecendo que as desigualdades sociais são impedimentos para a sustentabilidade dos negócios, elas passam a ter o mesmo nível de exigência de performance, com resultados equilibrados. “Assim, esse ponto passa a ser reconhecido como importante e estratégico. Passa a compor o dashboard das empresas”, diz.

Amplo estudo da McKinsey & Company sobre o estado da diversidade corporativa na América Latina comprova a importância do tema nas corporações. No artigo Diversidade importa: América Latina, que traz conclusões acerca do estudo, a autora Paula Castilho mostra que “as empresas da América Latina que adotam a diversidade tendem a superar outras empresas em práticas-chave de negócios, como inovação e colaboração, e seus líderes são melhores em promover a confiança e o trabalho em equipe”.

Paula Castilho é uma das sócias da McKinsey & Company no escritório de São Paulo e liderança-chave nas Práticas de Instituições Financeiras e Digital da McKinsey na América Latina. Ainda segundo a autora, as empresas plurais costumam ter ambientes de trabalho mais felizes e uma melhor retenção de talentos. “Tudo isso se traduz tanto em uma saúde organizacional mais sólida quanto em resultados: empresas que adotam a diversidade têm uma probabilidade significativamente maior de alcançar uma performance financeira superior à de seus pares que não o fazem”.

Fintechs e diversidade

Cofundadora da Plurie Br e diretora de Informações e Processos da 99Jobs, Viviane Elias frisa outro ponto importante sobre a presença feminina nas instituições, com destaque para as financeiras. “Não podemos esquecer que dentro do universo feminino temos outras diversidades. Em um grupo de mulheres, temos mulheres negras, trans, com deficiência, com diversidade regional, entre outras. E conseguir fomentar todos esses potenciais, de forma criativa, é um grande desafio”.

Sobre o percentual de 36% da Conta Simples, ela diz: “Sou uma pessoa do universo de startups e vejo o quanto é gratificante ver uma fintech já nascer diversa, porque fintechs ocupam um lugar importante, de poder econômico, e com a diversidade em seus quadros conseguem não só agregar valor ao seu negócio, mas também gerar poder de transformação”, afirma a diretora, dizendo que a diversidade é um caminho sem volta. “Empreas que não entenderem que precisam diversificar seus bens mais preciosos, que são os CPFs, podem perder seus CNPJs, porque têm tendência de fechar ou quebrar.

Para o exercício pleno da diversidade, Viviane ainda faz um alerta. Segundo ela, não basta ter 50% de colaboradoras contratadas. “É preciso também garantir espaço e dar autonomia para essas mulheres serem quem elas são, poderem contribuir com suas experiências e bagagem”, afirma.

Vagas para 2022

Entre as  vagas previstas na Conta Simples para 2022, há oportunidades para os times de Crédito, Dados, Financeiro, Legal & Compliance, Marketing, Pessoas e Cultura, Produto, Relacionamento com o Cliente, Gestão de Risco, Comercial, Segurança da Informação e Infraestrutura e Tecnologia. Todas as vagas podem ser conferidas aqui.

“Em 2021, tivemos um aumento de 172% no número de pessoas, com salto de 55 colaboradores em janeiro de 2021, para 150, em dezembro do mesmo ano”, afirma a coordenadora de Aquisição e Talentos da Conta Simples, Marina Antonachi. Ela explica que mais da metade das novas 200 vagas (64%)  atenderá ao crescimento das demandas de tecnologia, dados, produto e relacionamento com o cliente.

“Nosso objetivo é aumentar o número de contratação de mulheres, com olhar também para os cargos de liderança. Isso já tem ocorrido nas áreas de Marketing, Pessoas e Cultura, Finanças, Relacionamento com o Cliente e Legal e Compliance. No mercado, as posições mais seniores de Tecnologia, Dados e Produto são ocupadas por homens. Aqui na Conta Simples, temos algumas posições já ocupadas por mulheres, e o nosso desafio é ampliar cada vez mais o espaço feminino nessas frentes.”, afirma Marina.

Entre líderes, as mulheres representam um terço das posições na empresa. Apesar de ainda precisar avançar nos números, a taxa é positiva, se comparada com o mercado. “Estamos ampliando nosso percentual de mulheres, tanto na empresa quanto nos cargos de liderança. Mas termos hoje um percentual de 36% de representantividade do sexo feminino já é algo bem expressivo”, diz Marina.

Sobre a Conta Simples

A Conta Simples se consolidou entre os líderes no mercado de serviços financeiros com uma plataforma de cartões corporativos e conta corrente completa que simplificam o gerenciamento dos gastos das empresas. A fintech otimiza processos diários dos departamentos financeiros de empreendimentos que escalam rapidamente e precisam de soluções ágeis.

A fintech foi a segunda startup brasileira a receber aporte da Y Combinator, está na lista das 100 Startups to Watch (PEGN) e entre as 50 Startups que mudam o Brasil (Exame). Também tem o selo GPTW – Great Place To Work, com índice de satisfação de 95% entre seus colaboradores.

 

NÚMEROS
Evolução do time Conta Simples
 
2021
Janeiro: 55 Simplers
Agosto: 131 Simplers
Dezembro: 150 Simplers

 

2022
Janeiro: 170 Simplers
Meta para dezembro: 370 Simplers