Meio ambiente

Supertufão Mangkhut atinge as Filipinas com chuvas torrenciais

Supertufão Mangkhut atinge as Filipinas com chuvas torrenciais

Presidente filipino Rodrigo Duterte visita o centro de operações do Conselho Nacional de Redução e Gestão de Risco de Desastres (NDRRMC) em Manila - AFP

O supertufão Mangkhut atingiu na madrugada deste sábado (horário local) o território das Filipinas com ventos de até 255 km/h e chuvas torrenciais que obrigaram milhares de pessoas a deixar suas casas.

Mangkhut, o tufão mais violento que atingiu o país ao longo do ano, tocou terra às 01h40 (14h40 de sexta-feira em Brasília)”, segundo o serviço nacional de meteorologia Pagasa.

Os moradores da ilha cobriram como puderam as suas janelas e reforçaram os telhados. As autoridades elevaram o nível de alerta para quatro, o máximo na escala de tufões neste país.

“As chuvas vão ser fortes e os ventos não serão brincadeira”, declarou à AFP Michael Conag, porta-voz da Defesa Civil local. “Pode haver ondas equivalentes a um prédio de quatro andares e muitas casas poderão ser destruídas, principalmente as construções mais frágeis, que são mais frequentes nestas zonas costeiras”, explicou.

Pelo menos quatro milhões de pessoas estão na trajetória direta de Mangkhut, que então seguirá para o sul da China, incluindo o território semiautônomo de Hong Kong.

Os camponeses da região, que produz grande parte do milho e do arroz nas Filipinas, se apressaram para recolher suas colheitas por medo de ficarem alagadas.

As autoridades “dizem que esse tufão é duas vezes mais forte do que o anterior, estamos assustados”, conta Myrna Parallag, que fugiu de sua casa, no norte do arquipélago.

Essa moradora de 53 anos viu um tufão inundar sua casa em 2016. “Aprendemos a lição da última vez. A água chegou até o teto”, recorda.

– Muito medo –

As autoridades temem especialmente as inundações e os deslizamentos de terra, e o serviço nacional de meteorologia anunciou que o tufão pode provocar graves perturbações no fornecimento de energia elétrica e nos serviços de comunicação.

As pequenas aldeias de pescadores são muito vulneráveis aos ventos violentos e às enormes ondas que caem na costa.

Cerca de 20 tufões atingem a cada ano as ilhas filipinas, deixando centenas de mortos e agravando a pobreza de milhões de pessoas.

Haiyan, um dos tufões mais violentos que já tocou terra, atingiu as ilhas do centro das Filipinas em novembro de 2013, com ventos de mais de 315 km/h.

Imensas ondas parecidas com tsunamis arrasaram tudo em sua passagem. A catástrofe deixou mais de 7.350 mortos ou desaparecidos, e quatro milhões de pessoas perderam seus lares.

A agência meteorológica filipina indicou que o Mangkhut é, por ora, a tempestade tropical mais violenta do ano, com rajadas de até 255 km/h.

O observatório meteorológico da ex-colônia britânica de Hong Kong pediu prudência à população e explicou que a tempestade constitui uma ameaça considerável.

Os serviços meteorológicos de Taiwan previram que a tempestade chegará à ilha no sábado, com fortes chuvas no sul e leste do território, embora acreditem que é pouco provável que a área seja diretamente atingida.