Economia

FGV: câmbio médio dos próximos 30 dias determinará futuro de curto prazo do IGP-M

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) acelerou de 2,74% em agosto para 4,34% em setembro, mas já ensaia alívio quando observado como parte da série encadeada dos IGPs, diz o coordenador de índices de preços da Fundação Getulio Vargas (FGV), André Braz. Agora, o caminho do índice vai depender do comportamento do dólar.

“O câmbio médio dos próximos 30 dias pode determinar o futuro de curto prazo do IGP-M”, afirma Braz. Na segunda-feira, o anúncio do governo federal de que pretendia financiar o Renda Cidadã com precatórios levou o dólar a bater R$ 5,67, o maior valor diário desde 21 de maio, quando foi a R$ 5,70. A moeda americana encerrou o dia cotada a R$ 5,6353, com valorização de 1,44%.

Embora considere que a valorização do dólar ante o real de ontem seja “mais volatilidade do que tendência”, Braz reconhece que o câmbio tornou-se um risco para os IGPs. Uma consolidação do dólar entre R$ 5,50 e R$ 5,60 nos próximos 30 dias já poderia ser suficiente para reverter a tendência de desaceleração e levar o IGP-M de outubro a superar o de setembro, avalia.

Braz diz que não se trata de um cenário base, mas que não é possível descartar a possibilidade de o IGP-M encerrar 2020 próximo da marca de 20%. Apenas um mês atrás, em 28 de agosto, o economista considerava provável que o índice chegasse ao fim do ano acima de 10%.

“À medida que as grandes economias voltam à normalidade – principalmente a China, que é a grande consumidora de commodities – essas commodities se valorizam, e a incerteza doméstica cria uma desvalorização cambial que, se for perpetuada, pode criar uma pressão em direção a esse cenário”, afirma.

Repasse

Mesmo com os riscos para cima sobre o IGP-M, Braz ainda vê pouco espaço para repasse dos preços do atacado ao consumidor. Ele lembra que boa parte da inflação do IPC está concentrada em alimentação, que acumula alta de 9,08% em 12 meses, mas que os demais grupos permanecem comportados.

“Temos algum aumento nos bens duráveis em corpo de aço, que estão recebendo pressões do custo do minério, mas são coisas na margem e não em 12 meses. E os serviços e preços administrados ainda estão dando alívio”, diz Braz.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?