Tecnologia

Facebook derruba rede de desinformação sobre desmatamento com laços com militares brasileiros

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Vista aérea de área desmatada da floresta amazônica em Rondônia (Crédito: REUTERS/Adriano Machado)

Por Brad Haynes

SÃO PAULO (Reuters) – A Meta, proprietária do Facebook, informou nesta quinta-feira que removeu da plataforma uma rede de contas com vínculos com militares brasileiros que se apresentavam como falsas organizações sem fins lucrativos para minimizar os perigos do desmatamento.



Os comentários de Meta, publicados em um relatório trimestral, representam um risco para a reputação do presidente Jair Bolsonaro. Um cético de longa data do ambientalismo, Bolsonaro enviou as Forças Armadas para a Amazônia em missões malsucedidas para reduzir a destruição da maior floresta tropical do mundo.

Embora os indivíduos envolvidos sejam militares da ativa, a investigação da Meta não encontrou evidências suficientes para estabelecer se eles estavam seguindo ordens ou agindo de forma independente, de acordo com uma pessoa com conhecimento do assunto.

No início da noite, em nota, o Centro de Comunicação Social do Exército informou que o Exército tomou conhecimento do conteúdo do documento da Meta por meio de publicações na imprensa e entrou em contato com a empresa para ter acesso a mais informações, além de ressaltar que a Força “não fomenta a desinformação por meio das mídias sociais”.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Mais de 80 milhões de pessoas já tomaram dose de reforço contra covid no Brasil

“O Exército Brasileiro… possui contas oficiais nessas mídias e obedece as políticas de uso das empresas responsáveis por essas plataformas. Assim, o Exército já entrou em contato com a empresa Meta para viabilizar, dentro dos parâmetros legais vigentes, acesso aos dados que fundamentaram o relatório, no que diz respeito à suposta participação de militares nas atividades descritas”, diz a nota do Exército.


“Finalmente, cabe ressaltar que a Instituição requer de seus profissionais o cumprimento de deveres militares, tais como o culto à verdade, a probidade e a honestidade”, acrescentou.

A operação de remoção de contas divulgada nesta quinta-feira, a primeira da Meta a atingir uma rede focada principalmente em questões ambientais, pode aumentar os ataques de Bolsonaro a grandes empresas de tecnologia, as quais ele acusa de sufocar vozes conservadoras.

Críticos dizem que Bolsonaro e seus apoiadores usam as plataformas para espalhar desinformação, minando as instituições democráticas do Brasil.

Em seu relatório, a Meta disse que a rede não identificada, que era limitada em escala e engajamento autêntico, usava contas falsas no Facebook e no Instagram para postar inicialmente sobre a reforma agrária e a pandemia, antes de voltar seu foco para questões ambientais no ano passado.

“Em 2021, eles criaram páginas que se passavam por ONGs e ativistas fictícios focados em questões ambientais na região amazônica. Eles postavam sobre desmatamento, inclusive argumentando que nem tudo é prejudicial, e criticando ONGs ambientais legítimas que se manifestavam contra o desmatamento na Amazônia”, afirmou a Meta em seu relatório.

“Embora as pessoas por trás (da rede) tentassemocultar suas identidades e coordenação, nossa investigação encontrou ligações com indivíduos associados às Forças Armadas brasileiras”, acrescentou a Meta.

A Meta se recusou a fornecer informações adicionais sobre sua investigação.

O Palácio do Planalto e o Ministério da Defesa não tinham respondido até o início da noite a pedidos de comentários.

(Reportagem adicional de Gabriel Stargardter)

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI3611W-BASEIMAGE



Tópicos

agindo de forma independente Amazônia ambientalismo ataques de Bolsonaro ativistas ativistas fictícios Bolsonaro brasileiros Centro de Comunicação Social do Exército conhecimento do assunto contas falsas no Facebook contas oficiais culto à verdade desinformação desmatamento desmatamento na amazonia destruição da maior floresta tropical do mundo documento da Meta empresa Empresas de tecnologia engajamento espalhar desinformação evidências suficientes Exército Exército brasileiro Facebook falsas organizações sem fins lucrativos Forças Armadas honestidade imprensa indivíduos associados às Forças Armadas brasileiras Instagram investigação investigação da Meta Jair Bolsonaro maior floresta tropical do mund meta mídias sociais militares militares brasileiros militares da ativa Ministério da Defesa missões malsucedidas ONGs ONGs ambientais organizações sem fins lucrativos Palácio do Planalto pandemia participação de militares perigos do desmatamento plataforma plataformas políticas de uso presidente presidente Jair Bolsonaro probidade proprietária do Facebook publicações publicações na imprensa questões ambientais Rede rede de contas rede de desinformação reduzir a destruição da maior floresta tropical do mundo Reforma Agrária região amazônica relatório remoção de contas reputação do presidente Jair Bolsonaro risco para a reputação do presidente Jair Bolsonaro Updated vínculos com militares brasileiros vozes conservadoras