Giro

Ferramenta eletrônica ajuda mulheres vítimas de violência na pandemia

Crédito: Marcello Casal Jr./ Agência Brasil

Parceria Instituto Avon, Uber e agência de publicidade Wieden+Kennedy: assistente virtual que usa um chatbot para pedir ajuda (Crédito: Marcello Casal Jr./ Agência Brasil)

Mulheres vítimas de violência doméstica durante a pandemia do novo coronavírus ganharam um aliado para se defenderem e denunciarem as agressões que estejam sofrendo, sem despertar a atenção do agressor. Trata-se de uma assistente virtual que, por meio de um chatbot, que é programa de computador que tenta simular um ser humano na conversa com as pessoas, oferece uma forma silenciosa de as mulheres pedirem ajuda e receberem orientações dentro de suas próprias casas.



Twitter quer ajudar pesquisadores a estudar postagens sobre coronavírus

A ferramenta resulta de parceria entre o Instituto Avon, a Uber e a agência de publicidade Wieden+Kennedy. De acordo com Mariana Borga, diretora de criação da agência, a assistente virtual foi criada com a ideia de ter uma identidade que pudesse “se camuflar entre os contatos da vítima e, ao mesmo tempo, transmitisse o papel acolhedor da iniciativa”.

O número disponibilizado para ajudar mulheres de todo o país é o Whatsapp 11 – 944942415. Ali, após responder a algumas perguntas que identifiquem o grau de risco que ela corre, a vítima recebe o suporte apropriado. Segundo os parceiros, se houver necessidade de a pessoa agredida ir até um hospital, unidade de saúde, delegacia ou um centro de assistência social e psicológica e orientação jurídica em situação de violência, ela receberá um código que dará direito a uma viagem gratuita no aplicativo da Uber para esse deslocamento.

Compromisso

A diretora-geral da Uber para o Brasil, Claudia Woods, ressaltou em entrevista por e-mail à Agência Brasil que a empresa tem um compromisso público com o combate à violência contra a mulher e desde 2018 vem estabelecendo parcerias com diversas organizações que atuam nessa frente. Salientou que “o Instituto Avon vem como mais um aliado para não deixarmos essa questão de lado mesmo em meio a uma pandemia. Especialmente diante do crescimento da violência doméstica nesse contexto de isolamento social que estamos vivendo”. Claudia Woods destacou que a ferramenta disponibilizada mostra como a tecnologia pode tratar questões relacionadas à segurança.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



A diretora-geral da Uber para o Brasil destacou ainda que o serviço é gratuito e válido para todo o país. “Esperamos que ele chegue a quem mais precisa e auxilie as mulheres a pedirem ajuda e saírem de situações de violência”. A Uber pretende continuar firmando parcerias e apoiando iniciativas como parte do seu compromisso de fornecer 10 milhões de viagens gratuitas para profissionais de saúde, idosos e pessoas necessitadas em todo o mundo, durante a pandemia do novo coronavírus. A ação lançada no Brasil é acompanhada por projetos em mais de 16 países que buscam ajudar vítimas de violência doméstica.

Aumento da violência

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) divulgados este mês revelam que os atendimentos da Polícia Militar a mulheres vítimas de violência aumentaram 44,9% no estado de São Paulo no período de pandemia da covid-19, na comparação entre março de 2020 com o mesmo mês do ano passado. O total de socorros prestados evoluiu de 6.775 para 9.817. Da mesma forma, foi constatada expansão da quantidade de feminicídios, que passou no estado de 13 para 19 casos, alta de 46,2%. No Rio de Janeiro, a Justiça do Estado registrou aumento em torno de 50% dos casos de violência doméstica após o início da quarentena.

Programa

Da parte do Instituto Avon, a iniciativa integra o Programa Você Não Está Sozinha, que engloba ações e serviços em resposta ao aumento da violência contra mulheres e meninas durante a pandemia. Segundo explicou à Agência Brasil a diretora-executiva do Instituto Avon, Daniela Grelin, o programa foi desenvolvido para usar a tecnologia a favor das vítimas de violência doméstica e disponibilizar mais esse canal de ajuda criado com a Uber e a agência de publicidade. O intuito é “ajudar aquela mulher que esteja em casa, sem nenhuma privacidade, convivendo o dia inteiro com o autor de agressão. O chatbot tem a característica de permitir que a mulher faça essa denúncia pelo Whatsapp com um contato que passa como se fosse o contato de uma pessoa, perante o agressor”.

Triagem

Daniela informou que por trás dessa ferramenta existe todo um trabalho de triagem de necessidades e de avaliação do nível de risco ao qual essa mulher está exposta, que vai do nível leve ao gravíssimo, quando a mulher está sob ameaça de morte e que, portanto, precisa ser rapidamente encaminhada para um serviço de acolhimento.

A parceria com a Uber permite a essa mulher ter um transporte gratuito até um desses serviços. Estão cadastrados nessa ferramenta mais de 3 mil serviços mapeados pelo Mapa do Acolhimento, que contou com a ajuda de mais de 600 voluntárias para fazer a checagem dos serviços que estão funcionando no Brasil inteiro durante o confinamento.

O programa ajuda também a solucionar outras necessidades dessas mulheres, entre as quais abrigamento temporário e bolsa alimentação para elas e os filhos.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto