Giro

Fenômeno natural tem a capacidade de destruir nossa civilização

Crédito: Reprodução/NASA

Cerca de 41 mil anos atrás aconteceu um fenômeno natural que produziu uma mudança na polaridade do campo magnético da Terra. (Crédito: Reprodução/NASA)

Cerca de 41 mil anos atrás aconteceu o chamado evento Laschamp, um fenômeno natural que produziu uma mudança na polaridade do campo magnético da Terra. Segundo os estudados até agora, esse evento durou cerca de 500 anos.

Naquela época, o campo magnético enfraqueceu para 6% ou menos do total atual. Em seguida, a polaridade foi reestabilizada na direção reversa e a intensidade do campo atingiu 28% do valor da corrente. Demorou mais 250 anos para retomar a orientação norte-sul que temos hoje.

+ Nasa divulga primeiros áudio e vídeo do pouso do Perseverance em Marte

Durante o processo que esse fenômeno natural envolveu ocorreram mudanças tão radicais no clima que um grande número de espécies foi extinto. O céu ardia em auroras, produzidas pela ionização da atmosfera, o que levou os primeiros humanos a se refugiarem em cavernas, evidenciadas na arte rupestre, que coincide com esse período.

Este fenômeno natural pôde ser estudado graças às anomalias geomagnéticas descobertas na década de 1960 nos fluxos de lava Laschamps em Clermont-Ferrand, na França. Mas um novo estudo, conduzido em fósseis de árvores Kauri na Nova Zelândia, determina que não foi a mudança de polaridade em si que produziu a extinção em massa, mas sua duração.

Como a intensidade do campo diminuiu 9% nos últimos 170 anos e oscilou durante anos, presume-se que uma mudança de polaridade pode ocorrer novamente, já que aconteceu outras vezes: o evento Laschamp é apenas o último de muitos. E embora não possam prever quando isso aconteceria, se em 100 ou 500 anos, os pesquisadores assumem que tal evento acabaria com a civilização, porque na ausência de um campo magnético, a radiação destruiria a camada de ozônio que nos protege de radiação ultravioleta.

As consequências de um fenômeno natural desse calibre são devastadoras: além das mudanças climáticas que afetariam as cadeias produtivas de alimentos, a radiação ionizante desabilitaria toda a indústria eletrônica e destruiria a infraestrutura elétrica.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel