Economia

Fed provavelmente reduzirá compras de ativos bem antes de elevar juro, diz Powell

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, afirmou nesta quarta-feira que a instituição provavelmente reduzirá as compras de ativos “bem antes” de elevar a taxa básica de juros. Durante um evento virtual do Clube Econômico de Washington, ele ressaltou que a maioria dos dirigentes não vê alta de juros antes de 2024.

De acordo com ele, contudo, o mercado foca “muito” no gráfico de pontos, que aponta as projeções dos dirigentes para a taxa básica de juros, mas que a decisão de alterar a política monetária é baseada em resultado macroeconômicos.

O dirigente ressaltou que o ciclo de aperto monetário só começará quando a inflação estiver “moderadamente” acima de 2% “por algum tempo” e a recuperação do mercado de trabalho for “substancial”. Powell, contudo, considera “altamente improvável” que esses resultados sejam alcançados antes de 2022.

O presidente do Fed afirmou também que ainda não se encontrou com o presidente dos EUA, Joe Biden, que assumiu o comando do país em 20 de janeiro.

Criptomoedas

Powell destacou ainda nesta quarta-feira que o Bitcoin e outras criptomoedas servem principalmente para especulação. Durante o evento virtual do Clube Econômico de Washington, o dirigente também disse que o Bitcoin não está sendo usado para pagamentos, e comparou o ativo ao ouro.

Ele ainda declarou que uma de suas maiores preocupações atuais são os ciberataques.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel