Economia

Fed: Powell diz que inflação média dá espaço para cortes de juros no futuro

Crédito: AFP/Arquivos

Presidente do Fed: "Por algum tempo, o desafio era a inflação alta. O desafio da atualidade é a pressão desinflacionária" (Crédito: AFP/Arquivos)

A adoção da estratégia de inflação média pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) dá espaço para eventuais cortes da taxa de juros “se a economia virar” no futuro, disse nesta quinta-feira, 24, o presidente da autoridade, Jerome Powell, em audiência no Senado americano. O dirigente ainda afirmou que a recuperação econômica no país tem sido mais forte do que ele pensava.

Na mais recente edição do simpósio de Jackson Hole, o mais importante evento de política monetária do mundo, Powell anunciou que passaria o Fed a adotar a estratégia de inflação média – ou seja, permitirá à inflação romper a meta de 2% por um tempo, como forma de compensar o período em que rodou abaixo disso, como o atual. “Queremos apenas que a inflação seja de 2% na média, não muito mais que isso”, repetiu hoje o presidente do BC americano. “Por algum tempo, o desafio era a inflação alta. O desafio da atualidade é a pressão desinflacionária”, acrescentou.

+ Fed: Kaplan prevê que PIB dos EUA terá avanço anualizado de 30% no 3º trimestre
+ Fed/Kaplan: desemprego nos EUA não deverá voltar a níveis pré-covid antes de 2023 

Como tem feito nos últimos dias (desde terça-feira, ele participa de audiências no Congresso americano), Powell voltou a dizer que os Estados Unidos precisarão de mais apoio fiscal para superar a crise do coronavírus. “Inadimplência pode aumentar em um futuro próximo sem mais assistência às famílias”, alertou aos senadores. Há algum tempo, o Legislativo americano não consegue chegar a um acordo com a Casa Branca para aprovar um novo pacote de injeção de liquidez, fato que se transformou em verdadeiro impasse para a retomada econômica no país.

O presidente do Fed aproveitou a sessão para defender as ações do Fed durante a pandemia. “Não concordo com a premissa de que compramos muitas dívidas de inadimplentes”, declarou. ” É muito claro que o mercado financeiro está funcionando nos EUA”, disse, em seguida. Ele, porém, evitou comentar sobre o atual nível do mercado acionário americano.

Impostos

Jerome Powell e o secretário de Estado americano, Steven Munchin, têm uma opinião em comum: não concordam com a elevação de impostos nos Estados Unidos em meio à pandemia, segundo declarações que fizeram nesta na audiência no Senado americano.

Questionados sobre essa possibilidade pelo senador democrata Robert Menendez, Powell e Mnuchin limitaram-se a comentários sucintos. “Não, não é uma boa ideia”, afirmou, primeiro, o secretário do Tesouro. O presidente do Fed completou: “eu concordo, não é uma noa ideia”.

A possibilidade de mais impostos nos Estados Unidos vem sendo especulada em meio à complicada situação fiscal do país, que aumentou os gastos recentemente para estimular a economia, impactada pela crise do novo coronavírus. O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, defende a reversão de isenções fiscais concedidas durante a administração de Donald Trump, candidato republicano à reeleição.

Pacote fiscal

Steven Mnuchin aproveitou a sessão legislativa para tecer novos comentários sobre o impasse entre democratas e republicanos em torno de um novo pacote fiscal nos EUA, considerado fundamental para apoiar a economia em recessão. “Clamo por um acordo bipartidário para ajudar as pequenas empresas”, declarou o secretário do Tesouro, que afirmou ter conversado por muitas vezes sobre o tema, nos últimos dias, com a presidente da Câmara dos Representantes do país, a democrata Nancy Pelosi.

Em seguida, porém, Mnuchin alertou que a situação de algumas empresas é tão grave que elas precisariam de subsídios, e não apenas de financiamentos.

Powell alertou que há “riscos de baixa” para a economia dos Estados Unidos, caso não seja aprovado algum novo apoio fiscal. “Eu não priorizaria o equilíbrio fiscal no meio de uma pandemia”, comentou Powell ao ser questionado por um legislador sobre o quadro atual.

Mnuchin, por sua vez, também defendeu que o Congresso chegue a um acordo sobre o tema. “Algum apoio fiscal é melhor que nada”, disse o secretário do Tesouro, em meio a dificuldades entre governistas e oposicionistas por um acordo bipartidário.

Mnuchin disse ainda que ele e o governo apoiariam a extensão do apoio a salários de funcionários de empresas do setor aéreo, em troca de manutenção de empregos por essas companhias, no âmbito do Programa de Proteção à Folha de Pagamentos (PPP, na sigla em inglês). O secretário do Tesouro também comentou que é favorável a uma lei para perdoar de modo automático empréstimos menores no PPP.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

EUA Fed Jerome Powell