Negócios

Fashiontec recebe aporte de R$ 12 milhões e quer se tornar ‘iFood das roupas’

Crédito: Divulgação

Mateo Kim é um dos fundadores da houpa (Crédito: Divulgação)

A fashiontec houpa, uma startup de compra e venda de roupas em atacado e varejo, recebeu R$ 12 milhões em investimentos para aprimoramento de serviços e ampliação do negócio no Brasil. Com mais de 20 mil usuários ativos, a meta da empresa é ambiciosa: alcançar 1 milhão de usuários até o fim do ano e se tornar o “iFood das roupas”. A empresa não quis revelar quem são os investidores.

A sede da startup fica no bairro do Bom Retiro, São Paulo, e tem conquistado marcas atacadistas e varejistas de todo o País. A marca também já movimentou mais de R$ 10 milhões em compra e venda de roupas e conta com uma rede de mil atacadistas e 12 mil varejistas.

+ Brasileiros viajam mais de 70 km para comprar roupas e eletrônicos
+ Amaro lança modelo virtual para realizar campanhas com roupas da marca
+ Vendas no varejo tem em abril resultado mais negativo da história, mostra ICVA

Fundadores da houpa, Mateo Kim e Gabriel Sanabria contam que sentiam no mercado a necessidade de um sistema de gestão que atendesse as demandas do setor de produção de moda e passaram a desenvolver o programa que viria a ser, em 2018, o houpa.

A fashiontech reúne várias funcionalidades como feed das marcas, espaço para troca de mensagens entre os perfis, gestão de estoque e visualização em tempo real, gestão de praça fechada, show-room online e pagamento próprio na plataforma.

“Os custos que uma marca atacadista possui para abrir sua loja online e conquistar clientes, além dos gastos que as varejistas têm em se deslocarem para os principais polos de moda para comprar e revender seus produtos são diretamente minimizados com a adesão ao aplicativo”, diz Mateo Kim, em nota.

O aplicativo também oferece aos consumidores finais um espaço que funciona como um closet virtual, onde esses clientes poderão receber comissionamento em cada compra.

“O e-commerce de moda é, ainda, pouco explorado em relação ao mercado de compra física, por isso, enxergamos um grande espaço em potencial”, completa Kim.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel