Agronegócio

FAO registra 10ª alta consecutiva no índice global de preços de alimentos

FAO registra 10ª alta consecutiva no índice global de preços de alimentos

Pessoas compram carne em açougue no Mercado Municipal de São Paulo; preços dos alimentos, incluindo carnes, seguem sob pressão

ROMA (Reuters) – Os preços mundiais dos alimentos subiram pelo décimo mês consecutivo em março, atingindo seu nível mais alto desde junho de 2014, liderados por saltos nos índices de óleos vegetais, carnes e laticínios, disse a agência de alimentos das Nações Unidas (FAO) na quinta-feira.

O índice de preços dos alimentos da organização, que mede as variações mensais de uma cesta de cereais, oleaginosas, laticínios, carnes e açúcar, teve média de 118,5 pontos no mês passado, contra 116,1 ligeiramente revisados ​​em fevereiro.

O número de fevereiro era anteriormente de 116,0.

A FAO, sediada em Roma, também disse em um comunicado que as colheitas mundiais de cereais continuam em curso para atingir um recorde anual em 2020, acrescentando que as primeiras indicações apontam para um novo aumento na produção este ano.

O índice de preços de cereais da FAO caiu 1,7% mês a mês em março, encerrando oito meses de ganhos consecutivos, mas ainda 26,5% acima do mesmo período do mês passado.

Entre os principais cereais, os preços de exportação do trigo foram os que mais caíram, diminuindo 2,4% no mês, refletindo a boa oferta e perspectivas animadoras de produção para as safras de 2021, disse a FAO.

O índice de preços de óleo vegetal da FAO subiu 8,0% no mês para atingir seu nível mais alto desde junho de 2011, impulsionado pelos preços mais altos de óleos de palma, soja, colza e girassol.

O índice de carnes subiu 2,3%, mas, ao contrário de todos os outros índices, ainda apresentou leve queda na comparação anual. A FAO disse que as cotações das carnes de aves e suínos aumentaram, sustentadas por um ritmo acelerado de importações por países asiáticos, principalmente a China.

A FAO elevou sua previsão para a safra de cereais de 2020 para 2,765 bilhões de toneladas, de uma estimativa anterior de 2,761 bilhões, apontando para um aumento de 2% ano a ano.

Olhando para o futuro, a FAO disse que espera que a produção global de cereais aumente pelo terceiro ano consecutivo em 2021.

A produção global de trigo deve atingir um novo recorde de 785 milhões de toneladas este ano, 1,4% acima dos níveis de 2020, impulsionada por uma recuperação acentuada na maior parte da Europa e expectativas de uma colheita recorde na Índia, disse a FAO.

Produções acima da média também são esperadas para o milho, com uma previsão de safra recorde para o Brasil.

(Por Crispian Balmer)

((Tradução Redação São Paulo 55 11 56447751))REUTERS RS LC

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH370WN-BASEIMAGE

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel