Edição nº 1122 24.05 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

José Augusto Fernandes, diretor de políticas e estratégia da CNI

“Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade”

Joel Rodrigues/Folhapress

“Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade”

Hugo Cilo
Edição 19/10/2018 - nº 1092

O economista José Augusto Fernandes se tornou uma das principais vozes do setor industrial brasileiro nos últimos anos. Como diretor de políticas e estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ele tem contribuído com a elaboração de planos para os principais setores produtivos brasileiros, especialmente em ambientes turbulentos para a economia. Nos últimos meses, no entanto, Fernandes tem notado um clima favorável diante da perspectiva de reformas com a troca de governo. “A agenda em direção a um Estado menor e mais eficiente, com maior qualidade regulatória, está animando o setor industrial”, afirmou Fernandes, em entrevista à DINHEIRO:

DINHEIRO – Nos últimos meses, a economia brasileira dançou conforme o ritmo da política, especialmente com as turbulências eleitorais. Depois do segundo turno, a situação deve melhorar?

JOSÉ AUGUSTO FERNANDES – Estamos em um momento de muita névoa em relação ao futuro da economia. Houve pouca clareza nos projetos dos dois candidatos nos últimos meses. Mas acredito que vem se formando, de alguma forma, um consenso em relação ao que são questões fundamentais para o País. Mesmo em relação ao âmbito fiscal, ambos reconhecem que a previdência social é uma questão-chave. Então, acredito que haverá uma estabilidade na economia mesmo antes do segundo turno.

DINHEIRO – Quais são os sinais do próximo governo que o mercado precisa para que os investidores tirem os projetos da gaveta?

FERNANDES – O principal sinal é, digamos, no capítulo da segurança fiscal. O tema segurança é muito importante nessa agenda para o próximo governo, não apenas a segurança pública, mas a segurança fiscal e jurídica, que é absolutamente fundamental para se recuperar ou reforçar a confiança e fazer com que os investidores tirem os seus projetos da gaveta.

DINHEIRO – A perspectiva de uma postura mais liberal do governo dele é o que mais seduz o mercado?

FERNANDES – Acredito que sim. Quando os investidores avaliam os cenários possíveis, e enxergam incertezas quanto aos programas econômicos, surgem dúvidas sobre a capacidade do governo de desenvolver uma agenda de reformas. Quando enxergam um empenho em promover as mudanças, ficam mais confiantes. Mas todos sabem que não é um jogo fácil. O novo governo precisará demonstrar capacidade de gerar as alianças para aprovar as mudanças. Agora, no segundo turno, todas essas questões poderão ficar mais claras.

DINHEIRO – Mas tanto Bolsonaro quanto Haddad tendem a enfrentar dificuldades em aprovar reformas, muitas delas impopulares…

FERNANDES – O novo governo terá a aproveitar sua popularidade de início de mandato para criar uma capacidade de tração forte. Terá de usar o capital político e fazer a costura necessária em torno da agenda.

DINHEIRO – Quais são as maiores expectativas do setor empresarial?

FERNANDES – Na visão do setor privado há consenso sobre a necessidade de segurança fiscal, de uma radical transformação do ambiente de negócios, via desburocratização, mais segurança jurídica e melhor qualidade regulatória. É um desafio imenso. Vejo mais desafios no âmbito do Executivo do que do Congresso. Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade, para a inovação, para a captura das novas tendências da economia digital. As pontes para o século 21 precisam ser reconstruídas.

“Ainda existe muita capacidade ociosa na indústria e isso é um limitador para decisões de investimentos e de ampliação de capacidade de produção”Metalúrgicos na linha de produção da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP)

DINHEIRO – Quem precisa reconstruir essas pontes?

FERNANDES – Dentro da agenda de ambiente de negócios e segurança jurídica, há muita coisa que o próprio Executivo pode resolver. Se o presidente tiver uma capacidade de diálogo com o Congresso e com o Judiciário, a reconstrução será feita de forma melhor e mais rápida. O Brasil, nos últimos anos, apesar de todos os problemas que enfrentou, preservou alguns de seus ativos mais importantes, principalmente as instituições. Isso abriu caminho para algumas reformas importantes.

DINHEIRO – Quais reformas?

FERNANDES – A reforma da legislação de petróleo, por exemplo, está mostrando resultados. Há uma aposta na recuperação da indústria de petróleo e gás no Brasil. Nessa área, o pior já passou. Junto com o petróleo e gás veio também essa lei das estatais, que está gerando mais profissionalização dentro das próprias empresas públicas, com melhor governança. Tivemos mudanças importantes na área de eletricidade, no ensino médio e na lei trabalhista. Com essas mudanças, o Brasil não virou uma Turquia ou uma Argentina. Os nossos problemas são domésticos. A capacidade de resolvê-los está aqui dentro. Eu não tenho um problema, nesse momento, de liquidez, como têm a Argentina e a Turquia. Nosso problema é fiscal, de qualidade regulatória e de segurança jurídica, para atrair os investidores que estão ávidos para entrar no País.

DINHEIRO – Neste ano, a indústria voltou a investir, mas ainda há uma grande capacidade ociosa. Isso preocupa?

FERNANDES – Ainda existe muita capacidade ociosa na indústria e isso é um limitador para decisões de investimentos e de ampliação de capacidade de produção. Mas as empresas são obrigadas a se modernizar, a buscar eficiência por força da competição. Mesmo com capacidade ociosa, as empresas são obrigadas a fazer investimentos para melhorar processos e produtos. Esse tipo de investimento começa a ocorrer na economia. É normal, também, que haja certa heterogeneidade entre os diversos setores. Existem alguns com excesso de capacidade de produção e outros que terminaram um ciclo de investimento há mais tempo e podem estar iniciando um novo. Então, os setores vão se posicionando. Os grandes investimentos ainda são feitos com certa cautela.

DINHEIRO – Os traumas do País com fracasso do setor de petróleo e a corrupção nas estatais são garantias de que os erros não serão repetidos pelo próximo governo?

FERNANDES – Acredito que ficou uma lição. Seja qual for o próximo governo, isso será um contrapeso. A tensão sempre existirá. Pode até ser que existam tentativas de escamotear ou deslizes nessas questões, mas é certo que o próximo governo terá mais dificuldade. Esse contrapeso é o que chamo de segurança jurídica de longo prazo. Nós temos mais contrapesos, mas sabemos que no Brasil nada é impossível.

DINHEIRO – Uma mudança de rota radical não poderia mais atrapalhar do que ajudar?

FERNANDES – Os eleitores brasileiros estão com uma expectativa muito grande em relação a uma mudança de rota das últimas políticas econômicas, pendendo mais para uma política liberal, mais privatizante, com uma redução do tamanho do Estado. O Brasil tem particularidades sociais e econômicas. A expectativa de liberalização cria, principalmente para a indústria, na visão da CNI, um cenário mais positivo do que negativo para o Brasil.

“Há uma aposta na recuperação da indústria de petróleo e gás no Brasil. Nessa área, o pior já passou”Unidade de exploração de petróleo da Petrobras no litoral do Rio de Janeiro

DINHEIRO – O País deverá ser mais previsível aos olhos dos investidores?

FERNANDES – Sim, embora ainda existam lacunas. Na área de agências regulatórias, por exemplo, o governo precisará rever sua posição. Há uma clara deteriorização na qualidade das agências. O grande desafio daqui para frente, para que possamos atrair investimentos de longo prazo, para 30, 40 ou 50 anos, é criar mecanismos mais profissionais de regulação do mercado. É absolutamente fundamental. O cenário macroeconômico, apesar de tudo, está favorável aos investimentos. Estamos com uma taxa de inflação muito baixa, possivelmente a mais baixa de todo o período de transição. Da mesma forma, a taxa de juros. Não somos uma terra arrasada. Temos também uma série de ativos institucionais que darão ao novo governo condições de promover uma recuperação mais expressiva da economia.

DINHEIRO – O que o setor produtivo espera é um Estado menor, então?

FERNANDES – A agenda em direção a um Estado menor e mais eficiente, com maior qualidade regulatória, está animando o setor industrial, sim. Trata-se de uma dupla agenda, a de desburocratização radical e de um aprimoramento das regras e das instituições que regulam o investimento privado. O que anima os empresários é a perspectiva de uma mudança no desenho da economia. Sendo mais liberal, o setor privado poderá contribuir com a agenda do desenvolvimento das competências, da transformação estrutural e da própria questão da desigualdade. O Brasil é um país desigual, com políticas que vêm sendo implementadas há vários governos e com relativos sucessos. De forma geral, há uma boa avaliação do custo-benefício dessas políticas. O grande desafio, agora, é unir as conquistas das políticas sociais com um modelo de desenvolvimento de políticas econômicas.

DINHEIRO – Os eleitores têm consciência das necessidades sociais e econômicas?

FERNANDES – Não têm, mas acredito que estão tendo cada vez mais. A sociedade brasileira precisa entender que o desequilíbrio fiscal, por exemplo, nasce das questões previdenciárias. É o que limita o nosso potencial de crescimento porque atrai novas cargas tributárias, reduz o potencial de crescimento da economia e afeta a renda das empresas e das famílias. De forma geral, percebo que o eleitor já compreendeu que na medida que o governo gasta mais com previdência, investe menos em saúde, em segurança e educação.


Editorial

Enquanto isso, na economia...

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

Enquanto isso, na economia...

Estagnação, deflação, recessão. Chame-a de acordo com as características técnicas que quiser, o fato é que ela está voltando sobre os auspícios de Jair Bolsonaro


Entrevista

João Miranda, CEO do Grupo Votorantim

João Miranda, CEO do Grupo Votorantim

"Com ou sem crise, vamos investir R$ 3 bilhões por ano"

Com presença em 19 países e negócios que vão do cimento à tecnologia da informação, o conglomerado que tem um século de vida planeja crescer ainda mais


Economia


Reforma tributária simplifica impostos

Congresso

Reforma tributária simplifica impostos

Congresso ignora proposta de Paulo Guedes e faz andar no Legislativo projeto da Casa para simplificação de impostos. A economia agradece

Mais amor e menos ódio com a OMC

Sob ataques

Mais amor e menos ódio com a OMC

Sob ataques e risco de paralisia, a entidade mundial de defesa do comércio tenta se manter relevante e busca se reinventar para não desaparecer


Mercado digital

War Wei

Disputa

Disputa

War Wei

Declaração de guerra americana à gigante de tecnologia chinesa Huawei escancara que a disputa nunca foi (só) comercial, mas imperial


Finanças


Momento de retomada para os fundos imobiliários

Investidor

Momento de retomada para os fundos imobiliários

Queda dos juros, demanda aquecida e mudanças nas regras dos institutos de previdência privada abrem novas oportunidades de ganho com os fundos imobiliários

O canto da sereia dos bancos digitais desafinou?

Recorde de reclamações

O canto da sereia dos bancos digitais desafinou?

Reclamações contra bancos digitais crescem quase 60% em 2019. Mas o aumento de clientes também é forte


Semana

Tudo pequenininho aí, presidente?

PIB

PIB

Tudo pequenininho aí, presidente?

Semana passada, caiu na rede um vídeo no qual o presidente Jair Bolsonaro ironiza a anatomia de um turista de ascendência oriental durante sua passagem pelo aeroporto de Manaus


Negócios


O que a Natura viu na Avon?

Aquisição

O que a Natura viu na Avon?

Aquisição da multinacional pela brasileira cria o quarto maior grupo de beleza do mundo, com US$ 10 bilhões de faturamento e atuação em 100 países

Fiat Chrysler: uma turbinada de R$ 16 bilhões em investimentos

Montadora

Fiat Chrysler: uma turbinada de R$ 16 bilhões em investimentos

Fiat Chrysler anuncia aportes nas fábricas de Minas Gerais e Pernambuco para se adequar às demandas do programa Rota 2030


Com oito estrelas Michelin, Marcelo Fernandes quebra novos paradigmas

Restaurateur

Com oito estrelas Michelin, Marcelo Fernandes quebra novos paradigmas

Com oito estrelas Michelin pelos badalados Attimo e Kinoshita, Marcelo Fernandes quebra paradigmas ao abrir o Kurâ Izakaya, leva a hamburgueria Tradi para o Panamá e planeja um novo empreendimento para a Olimpíada de Tóquio

Klein quer atrair investidores para compor uma oferta e ampliar sua participação na Via Varejo

Varejo

Klein quer atrair investidores para compor uma oferta e ampliar sua participação na Via Varejo

Após mais de dois anos buscando um comprador, a Via Varejo pode encontrar a solução interna, com a família fundadora da Casas Bahia assumindo o controle da operação


Estilo

Uma grande tacada ao sol da Sicília

Hotel de luxo

Hotel de luxo

Uma grande tacada ao sol da Sicília

Além de ser um dos melhores hotéis da Itália, o Verdura Golf Resort abriga um dos maiores campos de golfe da Europa. E tudo isso com as águas azuis do Mediterrâneo como cenário


Colunas


“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Moeda Forte

“O Brasil vai voltar a atrair investimentos”

Bill Gates sugere cinco livros (disruptivos)

dinheiro em bits

Bill Gates sugere cinco livros (disruptivos)

Porsche original de 1939 vai a leilão

Cobiça

Porsche original de 1939 vai a leilão

Tecendo o futuro

sustentabilidade

Tecendo o futuro

Petrobras avança na cobrança da cessão onerosa

Dinheiro em ação

Petrobras avança na cobrança da cessão onerosa


Artigo

A Nova Rota da Seda e a lojinha chamada Brasil

Por Celso Masson

Por Celso Masson

A Nova Rota da Seda e a lojinha chamada Brasil

Soja, petróleo e ferro respondem por 82% das exportações brasileiras para a China. Ampliar a participação de itens de valor agregado é urgente


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação


Publieditorial

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Atlas Quantum apresenta:

Atlas Quantum apresenta:

Definir momento ideal para compra e venda de Bitcoins desafia investidores

Muito recente, mercado de criptomoedas ainda não tem estratégias claras de precificação; diante disso, especialista recomenda método de arbitragem automatizada

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini apresenta:

Fundação Vanzolini auxilia gestores a melhorarem os negócios.

Impacto positivo abrange profissionais, empresas e organizações governamentais.

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.