Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

José Augusto Fernandes, diretor de políticas e estratégia da CNI

“Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade”

Joel Rodrigues/Folhapress

“Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade”

Hugo Cilo
Edição 19/10/2018 - nº 1092

O economista José Augusto Fernandes se tornou uma das principais vozes do setor industrial brasileiro nos últimos anos. Como diretor de políticas e estratégia da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ele tem contribuído com a elaboração de planos para os principais setores produtivos brasileiros, especialmente em ambientes turbulentos para a economia. Nos últimos meses, no entanto, Fernandes tem notado um clima favorável diante da perspectiva de reformas com a troca de governo. “A agenda em direção a um Estado menor e mais eficiente, com maior qualidade regulatória, está animando o setor industrial”, afirmou Fernandes, em entrevista à DINHEIRO:

DINHEIRO – Nos últimos meses, a economia brasileira dançou conforme o ritmo da política, especialmente com as turbulências eleitorais. Depois do segundo turno, a situação deve melhorar?

JOSÉ AUGUSTO FERNANDES – Estamos em um momento de muita névoa em relação ao futuro da economia. Houve pouca clareza nos projetos dos dois candidatos nos últimos meses. Mas acredito que vem se formando, de alguma forma, um consenso em relação ao que são questões fundamentais para o País. Mesmo em relação ao âmbito fiscal, ambos reconhecem que a previdência social é uma questão-chave. Então, acredito que haverá uma estabilidade na economia mesmo antes do segundo turno.

DINHEIRO – Quais são os sinais do próximo governo que o mercado precisa para que os investidores tirem os projetos da gaveta?

FERNANDES – O principal sinal é, digamos, no capítulo da segurança fiscal. O tema segurança é muito importante nessa agenda para o próximo governo, não apenas a segurança pública, mas a segurança fiscal e jurídica, que é absolutamente fundamental para se recuperar ou reforçar a confiança e fazer com que os investidores tirem os seus projetos da gaveta.

DINHEIRO – A perspectiva de uma postura mais liberal do governo dele é o que mais seduz o mercado?

FERNANDES – Acredito que sim. Quando os investidores avaliam os cenários possíveis, e enxergam incertezas quanto aos programas econômicos, surgem dúvidas sobre a capacidade do governo de desenvolver uma agenda de reformas. Quando enxergam um empenho em promover as mudanças, ficam mais confiantes. Mas todos sabem que não é um jogo fácil. O novo governo precisará demonstrar capacidade de gerar as alianças para aprovar as mudanças. Agora, no segundo turno, todas essas questões poderão ficar mais claras.

DINHEIRO – Mas tanto Bolsonaro quanto Haddad tendem a enfrentar dificuldades em aprovar reformas, muitas delas impopulares…

FERNANDES – O novo governo terá a aproveitar sua popularidade de início de mandato para criar uma capacidade de tração forte. Terá de usar o capital político e fazer a costura necessária em torno da agenda.

DINHEIRO – Quais são as maiores expectativas do setor empresarial?

FERNANDES – Na visão do setor privado há consenso sobre a necessidade de segurança fiscal, de uma radical transformação do ambiente de negócios, via desburocratização, mais segurança jurídica e melhor qualidade regulatória. É um desafio imenso. Vejo mais desafios no âmbito do Executivo do que do Congresso. Falta para o Brasil uma agenda voltada para a produtividade, para a inovação, para a captura das novas tendências da economia digital. As pontes para o século 21 precisam ser reconstruídas.

“Ainda existe muita capacidade ociosa na indústria e isso é um limitador para decisões de investimentos e de ampliação de capacidade de produção”Metalúrgicos na linha de produção da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP)

DINHEIRO – Quem precisa reconstruir essas pontes?

FERNANDES – Dentro da agenda de ambiente de negócios e segurança jurídica, há muita coisa que o próprio Executivo pode resolver. Se o presidente tiver uma capacidade de diálogo com o Congresso e com o Judiciário, a reconstrução será feita de forma melhor e mais rápida. O Brasil, nos últimos anos, apesar de todos os problemas que enfrentou, preservou alguns de seus ativos mais importantes, principalmente as instituições. Isso abriu caminho para algumas reformas importantes.

DINHEIRO – Quais reformas?

FERNANDES – A reforma da legislação de petróleo, por exemplo, está mostrando resultados. Há uma aposta na recuperação da indústria de petróleo e gás no Brasil. Nessa área, o pior já passou. Junto com o petróleo e gás veio também essa lei das estatais, que está gerando mais profissionalização dentro das próprias empresas públicas, com melhor governança. Tivemos mudanças importantes na área de eletricidade, no ensino médio e na lei trabalhista. Com essas mudanças, o Brasil não virou uma Turquia ou uma Argentina. Os nossos problemas são domésticos. A capacidade de resolvê-los está aqui dentro. Eu não tenho um problema, nesse momento, de liquidez, como têm a Argentina e a Turquia. Nosso problema é fiscal, de qualidade regulatória e de segurança jurídica, para atrair os investidores que estão ávidos para entrar no País.

DINHEIRO – Neste ano, a indústria voltou a investir, mas ainda há uma grande capacidade ociosa. Isso preocupa?

FERNANDES – Ainda existe muita capacidade ociosa na indústria e isso é um limitador para decisões de investimentos e de ampliação de capacidade de produção. Mas as empresas são obrigadas a se modernizar, a buscar eficiência por força da competição. Mesmo com capacidade ociosa, as empresas são obrigadas a fazer investimentos para melhorar processos e produtos. Esse tipo de investimento começa a ocorrer na economia. É normal, também, que haja certa heterogeneidade entre os diversos setores. Existem alguns com excesso de capacidade de produção e outros que terminaram um ciclo de investimento há mais tempo e podem estar iniciando um novo. Então, os setores vão se posicionando. Os grandes investimentos ainda são feitos com certa cautela.

DINHEIRO – Os traumas do País com fracasso do setor de petróleo e a corrupção nas estatais são garantias de que os erros não serão repetidos pelo próximo governo?

FERNANDES – Acredito que ficou uma lição. Seja qual for o próximo governo, isso será um contrapeso. A tensão sempre existirá. Pode até ser que existam tentativas de escamotear ou deslizes nessas questões, mas é certo que o próximo governo terá mais dificuldade. Esse contrapeso é o que chamo de segurança jurídica de longo prazo. Nós temos mais contrapesos, mas sabemos que no Brasil nada é impossível.

DINHEIRO – Uma mudança de rota radical não poderia mais atrapalhar do que ajudar?

FERNANDES – Os eleitores brasileiros estão com uma expectativa muito grande em relação a uma mudança de rota das últimas políticas econômicas, pendendo mais para uma política liberal, mais privatizante, com uma redução do tamanho do Estado. O Brasil tem particularidades sociais e econômicas. A expectativa de liberalização cria, principalmente para a indústria, na visão da CNI, um cenário mais positivo do que negativo para o Brasil.

“Há uma aposta na recuperação da indústria de petróleo e gás no Brasil. Nessa área, o pior já passou”Unidade de exploração de petróleo da Petrobras no litoral do Rio de Janeiro

DINHEIRO – O País deverá ser mais previsível aos olhos dos investidores?

FERNANDES – Sim, embora ainda existam lacunas. Na área de agências regulatórias, por exemplo, o governo precisará rever sua posição. Há uma clara deteriorização na qualidade das agências. O grande desafio daqui para frente, para que possamos atrair investimentos de longo prazo, para 30, 40 ou 50 anos, é criar mecanismos mais profissionais de regulação do mercado. É absolutamente fundamental. O cenário macroeconômico, apesar de tudo, está favorável aos investimentos. Estamos com uma taxa de inflação muito baixa, possivelmente a mais baixa de todo o período de transição. Da mesma forma, a taxa de juros. Não somos uma terra arrasada. Temos também uma série de ativos institucionais que darão ao novo governo condições de promover uma recuperação mais expressiva da economia.

DINHEIRO – O que o setor produtivo espera é um Estado menor, então?

FERNANDES – A agenda em direção a um Estado menor e mais eficiente, com maior qualidade regulatória, está animando o setor industrial, sim. Trata-se de uma dupla agenda, a de desburocratização radical e de um aprimoramento das regras e das instituições que regulam o investimento privado. O que anima os empresários é a perspectiva de uma mudança no desenho da economia. Sendo mais liberal, o setor privado poderá contribuir com a agenda do desenvolvimento das competências, da transformação estrutural e da própria questão da desigualdade. O Brasil é um país desigual, com políticas que vêm sendo implementadas há vários governos e com relativos sucessos. De forma geral, há uma boa avaliação do custo-benefício dessas políticas. O grande desafio, agora, é unir as conquistas das políticas sociais com um modelo de desenvolvimento de políticas econômicas.

DINHEIRO – Os eleitores têm consciência das necessidades sociais e econômicas?

FERNANDES – Não têm, mas acredito que estão tendo cada vez mais. A sociedade brasileira precisa entender que o desequilíbrio fiscal, por exemplo, nasce das questões previdenciárias. É o que limita o nosso potencial de crescimento porque atrai novas cargas tributárias, reduz o potencial de crescimento da economia e afeta a renda das empresas e das famílias. De forma geral, percebo que o eleitor já compreendeu que na medida que o governo gasta mais com previdência, investe menos em saúde, em segurança e educação.

Lei de Responsabilidade Fiscal

No STF, Moraes vota pela permissão da redução de jornada e salários de servidores

Celso de Mello irá desempatar

Após empate de 5 a 5, STF suspende discussão sobre repasses do Executivo

COAF

Campos Neto: ‘Estou seguro que PL da Autonomia garante blindagem a BC e UIF’


Alcolumbre quer estados e municípios na reforma por PEC paralela

Presidente do senado

Alcolumbre quer estados e municípios na reforma por PEC paralela

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

em sete lojas

Walmart processa Tesla após painéis solares da empresa pegarem fogo

Segundo o Walmart, sete lojas tiveram problemas com placas solares da Tesla, que pegaram fogo de maneira espontânea

Cartão da Apple não é recomendado para carteiras de couro ou jeans

risco de danificar

Cartão da Apple não é recomendado para carteiras de couro ou jeans

Em uma atualização na sua página de suporte aos usuários, a Apple afirmou que alguns tipos de tecidos podem causar a descoloração permanente no cartão

China exige libertação de executiva da Huawei ao Canadá

Meng Wanzhou

China exige libertação de executiva da Huawei ao Canadá

Em resposta a nota divulgada pela embaixada chinesa no Canadá, Justin Trudeau disse que não irá recuar na questão

CEO da Volkswagen tem interesse em comprar participação na Tesla

Manager Magazin

CEO da Volkswagen tem interesse em comprar participação na Tesla

Apesar da intenção da Volkswagen, uma eventual compra da Tesla teria que passar pelo crivo das famílias proprietárias da montadora, os Piechs e os Porsches


Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, afirma site

Smartphone

Novo iPhone terá três câmeras e será lançado em setembro, afirma site

Segundo a Bloomberg, vendas devem começar até o fim do próximo mês. Modelos novos terão terceira câmera na parte traseira

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Tática

Mercedes-Benz usa GPS de carros para localizar clientes em débito

Rastreamento e apreensão de veículos com base nos sistemas de localização reascendeu debate sobre direito a privacidade. Marca afirma que prática é feita em casos específicos


Farol DINHEIRO

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

empreendimento religioso

Abrir igrejas é um ótimo negócio no Brasil

1.250 igrejas são abertas por ano no País, uma média de 3,4 igrejas por dia. Enquanto você lê, provavelmente alguém fundou um novo tempo na rua da sua casa


Trump diz que Fed coloca EUA em desvantagem contra concorrentes, como a Alemanha

Economia

Trump diz que Fed coloca EUA em desvantagem contra concorrentes, como a Alemanha

Merkel explica sua declaração sobre a data limite para o Brexit

Reino Unido

Reino Unido

Merkel explica sua declaração sobre a data limite para o Brexit

Líderes estudantis de Hong Kong convocam greve universitária

Mobilização

Mobilização

Líderes estudantis de Hong Kong convocam greve universitária

Irã anuncia ‘pontos de acordo’ com presidente francês sobre questão nuclear

Diplomacia

Diplomacia

Irã anuncia ‘pontos de acordo’ com presidente francês sobre questão nuclear


Dólar inverte para queda e renova mínimas após venda de US$ 550 mi por BC

câmbio

Dólar inverte para queda e renova mínimas após venda de US$ 550 mi por BC

Bolsa se firma em queda e mercados mostram cautela antes de Jackson Hole

mercado financeiro

Bolsa se firma em queda e mercados mostram cautela antes de Jackson Hole

A interminável milonga Argentina

Editorial por Carlos José Marques

Editorial por Carlos José Marques

A interminável milonga Argentina

Lamentavelmente, desde os aos 1950 a Argentina vem em solavancos, experimentando em média um ano de recessão para cada três de ajuste. Nos últimos tempos, a equação se inverteu

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

João Pedro Paro Neto, CEO da Mastercard Brasil

"Queremos 60% dos pagamentos feitos em meios eletrônicos até 2024"

O executivo, que comanda a operação da americana no Brasil, tem apostado em tecnologia de autenticação por comportamento

A batalha do Brasil na China

internacional

A batalha do Brasil na China

Em meio à guerra comercial do país asiático com os EUA, Empresários brasileiros garantem investimentos de US$ 24,8 bilhões em rodadas de negociações com bancos e companhias chinesas

A nova casa da Joli

reforma de portfólio

A nova casa da Joli

Rede de materiais de construção reforma o porfólio para incluir itens de decoração e investe R$ 9 milhões para inaugurar sua maior unidade. Três novas operações estão previstas para 2020

Lição Walmart: não basta ser grande

gigante varejista

Lição Walmart: não basta ser grande

O fracasso da operação brasileira e o fim da marca no País mostram que nome não ganha jogo no disputado varejo nacional


Por que o ouro voltou à moda

capa

Por que o ouro voltou à moda

Combinação entre aumento da tensão política e desaceleração da economia aumenta os riscos de inflação, elevando o interesse pelo metal dourado

Sem legítima defesa

demora no cade

Sem legítima defesa

Demora do presidente Bolsonaro em indicar novos membros para o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) paralisa negócios de mais de R$ 100 bilhões


A reinvenção da mão de obra

indústria nacional

A reinvenção da mão de obra

Nem tudo são más notícias na indústria brasileira. Mapa do trabalho indica que o setor contratará mais profissionais preparados para a indústria 4.0

CPMF, não!

reforma tributária

CPMF, não!

A recriação de um imposto sobre movimentações financeiras aparece nos esboços da reforma tributária que deverá ser apresentada pelo governo ao congresso. Renegada por empresários e por grande parte da sociedade, essa taxação cria distorções — e pode impedir a retomada do crescimento

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver

resumo dos fatos

resumo dos fatos

MP da Liberdade Econômica pode ajudar. Mas não vai resolver


As armas do futuro já estão entre nós

segurança

As armas do futuro já estão entre nós

E elas movimentam fortunas, como prova a chinesa Hikvision, Líder em produtos inovadores para segurança. Com 34 mil colaboradores e fábricas na Índia e no Brasil, ela fatura US$ 7,5 bilhões ao ano

Vou pintar na sua firma

epson

Vou pintar na sua firma

Fabricante de impressoras quer repetir no mercado corporativo a “blitzkrieg” que promoveu no mercado doméstico

Adeus, preço médio

RLP

Adeus, preço médio

Novo produto da B3, o RLP promete revolucionar a forma como o investidor pessoa física opera no mercado

Árvores de dinheiro

investimento social

Árvores de dinheiro

Enquanto o desmatamento cresce, engajamento do mercado com investimentos socialmente responsáveis vem aumentando

Espaço aéreo VIP

Espaço aéreo VIP

Jatos de até US$ 71,5 milhões exibidos na Labace, maior evento da aviação de negócios da América Latina, mostram que nem o céu é o limite para os brasileiros


Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar

por Ulisses Zamboni

por Ulisses Zamboni

Como o sucesso pode levar sua empresa a não inovar


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbynson apresenta:

Robbynson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?

Fazer o bem está no nosso sangue

Lojas Americanas apresenta:

Lojas Americanas apresenta:

Fazer o bem está no nosso sangue

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados