Ciência

Facebook suprime contas vinculadas à Inteligência palestina

Crédito: AFP/Arquivos

Facebook suprime contas vinculadas à Inteligência palestina - AFP/Arquivos (Crédito: AFP/Arquivos)

A rede social Facebook acusou nesta quarta-feira (21) o serviço de Inteligência interna da Autoridade Palestina de usar sua plataforma para espionar jornalistas, militantes de direitos humanos e opositores políticos, e procedeu ao fechamento das contas, entre outras medidas.

A gigante americana explicou em um relatório que também identificou operações de espionagem “com motivação política”, realizadas por um grupo que estaria sediado em Gaza e seria afiliado ao Hamas, o movimento islamita que dirige este enclave palestino.

Biden reconhecerá o genocídio armênio, segundo imprensa americana

A Autoridade Palestina, que governa a Cisjordânia, e o Hamas se enfrentarão em eleições legislativas previstas para maio, as primeiras em quinze anos.

Segundo o Facebook, o Serviço de Segurança Preventiva (PSS) da Autoridade Palestina espiona “jornalistas, opositores do governo chefiado pelo Fatah, militantes de direitos humanos e grupos armados”, principalmente em Cisjordânia, Gaza e Síria, mas também em outros países, como Turquia, Iraque, Líbano e Líbia.

O PSS usou “programas de espionagem pouco sofisticados, disfarçados de aplicativos de mensagem segura” para infiltrar os aparelhos Android e coletar informação como a “lista de chamadas, a localização, a lista de contatos e os SMS”, segundo o informe.

De acordo com o Facebook, o serviço de Inteligência utilizou contas falsas pertencentes a jovens mulheres, mas também a “partidários do Hamas, do Fatah, a diversos grupos militares, a jornalistas e militantes” para “criar um clima de confiança com as pessoas afetadas e incitá-las a instalar programas maliciosos”.

O relatório também menciona “operações de ciberespionagem auspiciadas por um Estado”, em alusão às atividades do grupo Arid Viper que, segundo especialistas, faz ataques informáticos contra Israel a partir da Faixa de Gaza desde 2013.

Mas, segundo o Facebook, o grupo também tem como alvo palestinos, particularmente “pessoas vinculadas a grupos pró-Fatah, organizações governamentais palestinas, pessoal militar e de segurança e grupos de estudantes” nos territórios palestinos.

A Arid Viper usou “mais de uma centena de páginas da internet que contém programas maliciosos IOS e Android, para tentar roubar os códigos de acesso com técnicas de suplantação de identidade (phishing) ou agindo como servidores de controle”.

Consequentemente, o Facebook suprimiu contas consideradas afins a PSS e Arid Viper, “difundiram a assinatura dos programas maliciosos, bloqueando páginas associadas a estas atividades e preveniram as pessoas” afetadas.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel