Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Facebook sem crise

Facebook sem crise

Foram necessários apenas três meses para que o Facebook não apenas se recuperasse da maior crise de sua história, mas também voltasse a colocar um sorriso no rosto do CEO Mark Zuckerberg e dos investidores da companhia. Na segunda-feira 18, a empresa de Menlo Park, na Califórnia, viu suas ações subirem 1,26% e serem negociadas por US$ 199,58 cada. Com isso, o Facebook passou a ter valor de mercado de US$ 576,2 bilhões, o maior desde que abriu capital, em 2012. Mais do que bater recordes, os resultados financeiros mostram que a companhia não se abateu pelo escândalo do uso indevido de dados revelado em março. Na época, a empresa foi acusada de ter permitido que a consultoria britânica Cambridge Analytica capturasse informações de mais de 87 milhões de usuários da rede social e as usasse para tentar manipular as eleições americanas e o referendo do Brexit, o que fez o valor de mercado da companhia cair de US$ US$ 537 bilhões para US$ 442 bilhões.

(Nota publicada na Edição 1075 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.