Giro

Facebook proíbe a venda de terras protegidas na Amazônia em suas plataformas

Facebook proíbe a venda de terras protegidas na Amazônia em suas plataformas

Os aplicativos do Facebook, WhatsApp e Instagram - AFP/Arquivos

O Facebook anunciou na última sexta-feira, 8, que proibiu anúncios de venda ou compra de terrenos localizados em áreas protegidas, principalmente na Amazônia, em suas plataformas Facebook, Instagram e WhatsApp. O grupo de Mark Zuckerberg começou a modificar os termos de uso para banir oficialmente essa prática.

“Agora vamos comparar os anúncios expostos no Facebook Marketplace com um banco de dados constituído por uma organização internacional com autoridade sobre as áreas protegidas para identificar os anúncios que podem violar essa nova política”, explicou o grupo em nota de blog.



+ Desmatamento da Amazônia aumentou em setembro, mostram dados de satélite

O Facebook não especifica se essa prática é generalizada nem respondeu a uma solicitação da AFP sobre a abrangência do fenômeno. Mas a BBC revelou, em uma investigação em fevereiro, a existência no Facebook Marketplace de inúmeros anúncios propondo a venda de parcelas da floresta amazônica de até várias centenas de hectares de forma totalmente ilegal.

“Com base em critérios específicos, o Facebook buscará identificar e bloquear novos anúncios nas áreas protegidas”, declarou o grupo em sua mensagem.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


“Com informações complementares como esta base de dados, acrescentamos mais um obstáculo para quem tenta anunciar esses terrenos no Marketplace”, acrescentou o Facebook, afirmando que essas são as “primeiras etapas”.