Economia

Facebook derruba campanha ligada à Rússia para gerar caos político nos EUA

Crédito: AFP/Arquivos

O Facebook disse que a rede descoberta e removida era pequena, apenas 13 contas e duas páginas (Crédito: AFP/Arquivos)

O Facebook descobriu uma campanha ligada à Rússia, ainda iniciante, destinada a alimentar o caos político nos Estados Unidos. Segundo informações divulgadas nesta terça-feira (1) pela empresa, o trabalho foi realizado a partir de uma dica do FBI. Essa é a mais recente ação de combate a comportamentos inautênticos coordenados da principal rede social.

Foi derrubada uma pequena rede de 13 contas e duas páginas de Facebook que se passavam por jornalistas e tinham como alvo progressistas de esquerda, pela violação de uma política da plataforma contra “interferência estrangeira”.

+ Facebook ameaça impedir usuários australianos de compartilhar notícias
+ Facebook derruba páginas da QAnon no Brasil após reportagem do ‘Estadão’ 

A investigação que identificou a operação secreta, que estava ligada à Agência de Pesquisa da Internet (IRA) da Rússia, começou com uma denúncia do Departamento Federal de Investigação (FBI) dos EUA, de acordo com o chefe de políticas de segurança do Facebook, Nathaniel Gleicher.

A rede estava em estágio inicial de construção de uma audiência, com pouco engajamento dos usuários. “Eles colocaram um esforço substancial na criação de elaboradas personas fictícias, tentando fazer contas falsas parecerem o mais reais possível”, disse Gleicher aos repórteres.

Entre os assuntos abordados pelo grupo em suas publicações, segundo o Facebook, estavam “justiça social e racial nos EUA e no Reino Unido, políticas da OTAN e da União Europeia, supostos crimes de guerra e corrupção ocidentais, questões ambientais, o fundador da WikiLeaks, tensões entre Israel e Palestina, a pandemia de coronavírus, críticas ao fracking (fraturamento hidráulico), a influência francesa na África, a campanha de Biden e Harris, QAnon, o presidente Trump e suas políticas, e as políticas militares dos EUA na África”.

As fotos de perfis falsos foram geradas usando um software de computador, para parecerem mais realistas, e escritores freelance sem consciência do que se tratava foram recrutados para escrever o material a ser postado online.

Já as páginas de Facebook foram construídas para levar o público a sites da rede, e seus operadores estavam trabalhando meticulosamente para obter aprovação para veicular anúncios direcionados.

“A operação segue um padrão em que atores, russos em particular, se tornaram melhores em esconder quem são, mas seu impacto é cada vez menor e eles têm sido pegos mais cedo”, afirmou Gleicher.

“Eles estão entre a cruz e a espada: conduzir uma grande rede que é capturada rapidamente ou conduzir uma pequena rede de alcance limitado.”

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?