Ciência

Facebook derruba campanha enganosa pró-Trump feita por contas da Romênia

Facebook derruba campanha enganosa pró-Trump feita por contas da Romênia

O Facebook diz que uma campanha pró-Trump conduzida da Romênia enganou os usuários ao postar conteúdos que fingiam ser de americanos - AFP/Arquivos

O Facebook informou nesta quinta-feira (6) que tirou no ar contas da Romênia que estavam realizando uma campanha enganosa, em que fingiam ser norte-americanos apoiadores do presidente Donald Trump, candidato à reeleição nas eleições de novembro.

A maior rede social do mundo removeu 35 contas e três páginas, além de 88 contas do Instagram. Segundo o chefe de políticas de segurança da plataforma, Nathaniel Gleicher, a ação faz parte de uma luta contínua contra o “comportamento inautêntico coordenado”.

“As pessoas por trás dessa rede usavam contas falsas para se passar por americanos, amplificar e comentar seu próprio conteúdo e gerenciar páginas, incluindo algumas que se apresentavam como páginas de fãs do presidente Trump”, disse Gleicher.

De acordo com o Facebook, foram feitas publicações sobre as próximas eleições presidenciais, a campanha de Trump, a ideologia conservadora, crenças cristãs e a organização de extrema direita Qanon, ligada a teorias da conspiração.

A equipe de segurança da gigante da internet identificou que as atividades tinham origem na Romênia e foco nos EUA. Muitas vezes, a rede romena compartilhava matérias de veículos conservadores dos Estados Unidos e da campanha de Trump.

As páginas do Facebook tinham em média 1.600 seguidores, enquanto cerca de 7.200 pessoas seguiam uma ou mais de suas contas do Instagram, relatou a empresa. Uma ação enganosa coordenada como esse “confunde a linha entre um debate público saudável e a manipulação”, apontou Gleicher.

“Só podemos enfrentar parte do que é um desafio para toda a sociedade; está cada vez mais claro que nenhuma organização consegue lidar com isso sozinha”, acrescentou.

Ele repercutiu um apelo do diretor-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, para que líderes políticos estabeleçam regras claras sobre quais tipos de conteúdo ou comportamento não devem ser tolerados pelas plataformas digitais.

“Embora seja difícil definir motivações, o comportamento ainda viola nossas políticas e podemos derrubar o conteúdo”, disse ele. “Não importa de que lado eles estejam”.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?