Giro

Fábricas clandestinas falsificam cigarros paraguaios no Brasil

Crédito: Reprodução

Em 2021, nove unidades de indústrias clandestinas de cigarros foram fechadas (Crédito: Reprodução)

As marcas de cigarros paraguaios corresponderam a 49% das vendas deste mercado no Brasil, em 2020. Com isso, algumas fábricas clandestinas no Brasil passaram a falsificar essas marcas, chegando até a exportar os produtos paralelos.

+ BBB22: Tiago Abravanel ganha prova do líder e SBT comemora



Em 2021, nove unidades de indústrias clandestinas de cigarros paraguaios falsos, que produziram cerca de 5,3 bilhões de cigarros, foram fechadas. Os locais com maior incidência desses casos são: interior de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Além de exportarem, as quadrilhas brasileiras fazem os cigarros falsificados para venderem no mercado doméstico, escapando, dessa forma, dos impostos cobrados e do risco de apreensões nas rodovias.

No primeiro semestre do ano passado, a Receita Federal apeendeu mais de 7 milhões de maços de cigarros em rodovias de São Paulo. As marcas mais utilizadas para falsificação são: Eight, Gift, Palermo e Club One.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Em outubro de 2021, a PF descobriu e fechou uma fábrica clandestina de cigarros que operava com mão de obra de estrangeiros, algo próximo a um serviço escravo. O local movimentava R$ 50 milhões por mês, segundo informações da “Folha de S. Paulo”.

No total, eram 18 trabalhadores (17 deles paraguaios), trabalhando em um cômodo sem janela e com dois chuveiros.


O mercado de cigarros ilegais diminuiu em 2020 no Brasil, de acordo com dados do Ipec. Um dos motivos para a redução das falsificações foi o fechamento das fronteiras durante a pandemia de Covid-19 e o lockdown no Paraguai, que interrompeu as atividades fabris.