Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Fabiana Bracco é uma embaixadora do vinho uruguaio

Fabiana Bracco é uma embaixadora do vinho uruguaio

Há quem diga que é a simpatia; outros que é a desenvoltura em seis idiomas. Há aqueles, ainda, que acreditam que é o seu conhecimento do mercado de vinhos e, outros, que são a qualidade dos seus tintos. Eu acho que são todas estas as razões que, juntas, ligam Fabiana Bracco aos vinhos uruguaios de qualidade.

O capítulo mais recente desta história começou em 2016, quando ela assumiu a vinícola da família. Ainda muito sentida com a morte do seu pai, que havia fundado a Bracco Bosca em 2005, ela tinha a opção de ficar com a vinícola ou vendê-la e interromper a saga vínica da família, que começou quando seus bisavôs italianos Mirtha Bosca e Darwin Bracco migraram do Piemonte para o Uruguai e, claro, cultivaram uvas.

A decisão fez Fabiana, formada em relações internacionais e com especialização em marketing, mudar de papel no mundo do vinho. Até então, ela trabalhava na área de marketing e exportação de vinícolas, principalmente uruguaias. Ainda hoje, ela dá consultoria para a Narbona, mas já trabalhou com a Anima Negra, na Espanha, em principalmente na Pisano. Foi, alias, a vinícola dos três irmãos Pisano que a levou aos vinhos – na época a sua maior experiência foi ser rainha da vindima quando mais jovem. Nesta vinícola uruguaia, Fabiana começou como gerente de exportação e conseguiu colocar os brancos e tintos dos Pisano em 45 países.

Na vinícola de sua família, a irrequieta Fabiana faz de tudo, de ajudar a colar etiquetas no vinho, até vendê-lo, e dá os seus palpites na elaboração – o enólogo é o Marcelo Laitano, e os vinhedos são cuidados por Enrique Sartore, seu primo. Foi de Fabiana a ideia de partir para os vinhos premiuns (com seu pai, a vinícola focava em vinhos de mesa) e sua primeira ação, quando assumiu, foi mudar os tanques. Com dois anos desta nova história, ela já colhe os frutos. A pequena produção de 25 mil garrafas na última safra já é exportada para dez países, Brasil, inclusive, importado pela Domno. O seu Ombú Cabernet Franc foi eleito no ano passado o vinho revelação do Uruguai, pelo guia Descorchados e recebeu 92 pontos do sommelier Andreas Larson.


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.