Sustentabilidade

Extintas em estado selvagem, ararinhas-azuis retornam ao Brasil

Extintas em estado selvagem, ararinhas-azuis retornam ao Brasil

(Arquivo) Ararinhas-azuis cuidadas pela ONG ACTP na Alemanha - DPA/AFP/Arquivos


Um lote de 50 ararinhas-azuis chega nesta terça-feira (03) ao Brasil vindo da Alemanha. Trata-se de uma tentativa de devolver a espécie, que sobrevive apenas em cativeiro, ao seu habitat natural, segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

As aves desembarcarão à tarde em Pernambuco, e seguirão viagem à pequena cidade de Curaçá, na Bahia, de onde a espécie é considerada natural e onde foi construído um centro de reprodução.

O projeto de reintrodução das ararinhas-azuis, que têm o bico preto e uma plumagem deslumbrante em tons de azul, é parte de um acordo entre o ICMBio e a ONG alemã Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP).

As cinquenta aves deverão passar por uma quarentena de 21 dias. Depois um grupo, cujo número ainda não foi determinado, será liberado e outro será mantido em cativeiro.

As ararinhas-azuis, que ganharam fama mundial com a animação “Rio”, de 2011, foram declaradas extintas do seu ambiente natural no ano 2000, segundo o ICMBio. Restam somente cerca de 160 aves em cativeiro, estima o instituto.

Essa espécie sucumbiu por causa da caça ilegal, do tráfico e da destruição do seu bioma.

“Na década de 1980, foram identificadas três ararinhas-azuis por expedicionários, e em uma nova missão, dez anos depois, foi vista a última”, explicou o ICMBio.

Nos últimos anos, esforços de conservação da espécie culminaram no aumento da população nacional da espécie, sempre em cativeiro.