Agronegócio

Exportação do agronegócio brasileiro cresce 17,5% em faturamento

Crédito: iStock

Agro brasileiro segue em alta apesar da crise geral na economia (Crédito: iStock)

São Paulo, 5 – O setor agropecuário brasileiro faturou, em exportações, 17,5% mais entre janeiro e abril deste ano em comparação com igual período de 2019, informou, em nota, o Ministério da Agricultura, tendo como base os dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. Houve aumento de embarques especialmente para a Ásia, com destaque para a China.

A soma das exportações alcança US$ 67,833 bilhões. Já as importações, US$ 55,56 bilhões, com saldo positivo de US$ 12,264 bilhões e corrente de comércio de US$ 123,4 bilhões. “Diferentemente do quadro mundial, o Brasil manteve sua balança praticamente estável”, diz a nota.

+ Previsão de crescimento agropecuário cai de 3,8% para 2,4% em 2020
+ Datagro reduz previsão de exportação do complexo soja para 91,9 mi de toneladas

Ainda conforme o ministério, a participação do agronegócio no total das exportações brasileiras no período de janeiro a abril subiu de 18,7% para 22,9%. A soja destacou-se, com 29,9% mais em faturamento entre janeiro e abril, para US$ 11,653 milhões. O algodão em bruto subiu 69,5%, de US$ 659,2 milhões para US$ 1,17 bilhão.

Em relação especificamente ao mês de abril, o agronegócio brasileiro exportou US$ 18,31 bilhões e importou US$ 11,611 bilhões, com saldo positivo de US$ 6,702 bilhões.

Alguns produtos do agronegócio bateram recordes históricos mensais de exportações em volume no mês de abril, como soja, com 16,3 milhões de toneladas; farelo de soja, com 1,7 milhão de toneladas; carne bovina fresca, refrigerada ou congelada, com 116 mil toneladas; carne suína, com 63 mil toneladas e algodão bruto, com 91 mil toneladas. Por outro lado, tiveram queda: trigo, centeio e milho não moído, exceto milho doce, café não torrado, animais vivos, frutas e nozes.

O Ministério da Agricultura acrescentou também que as exportações brasileiras (de todos os setores) para a Ásia subiram 15,5% no primeiro quadrimestre do ano, na comparação com igual período de 2020. “O mercado asiático passou a representar 47,2% do total de nossas exportações”, continua a pasta.

Apesar do impacto da pandemia sobre a economia chinesa, as exportações brasileiras para a China cresceram 11,3% no período, com destaque para a soja (+28,5%), carne bovina fresca, refrigerada ou congelada (+ 85,9%), carne suína fresca, refrigerada ou congelada (+153,5%) e algodão em bruto (+ 79,%).

Os números do primeiro quadrimestre mostram que, em dólares, a China comprou do Brasil o triplo do importado pelos Estados Unidos e o dobro demandado pela União Europeia.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?