A expansão acelerada da marca de água de coco Obrigado

A expansão acelerada da marca de água de coco Obrigado

Depois de dois anos no mercado e de já ter abocanhado 7% de participação no Brasil, de acordo com a Nielsen, a marca de água de coco Obrigado prepara a sua maior expansão desde que foi criada. “Nossa produção anual passará de 7,5 milhões de litros, em 2016, para 17 milhões de litros em 2017”, diz Roberto Lessa, vice-presidente da empresa.

A meta é quintuplicar a presença da marca no Brasil dentro de três anos. “Hoje estamos presentes em 27 mil pontos de venda no País, mas vamos expandir para além dos grandes varejistas”, diz Lessa. Para isso, entretanto, a Obrigado tem de vencer alguns obstáculos. Enquanto os concorrentes conseguem permanecer um ano e meio nas prateleiras, o produto da marca tem vida útil de 6 meses. “É porque não há conservante, nem açúcar ou água adicionada”, diz Lessa.

Os gringos querem coco

Obrigado

Se, por um lado, a água de coco 100% natural pode acarretar problemas logísticos, por outro traz benefícios em termos de imagem, principalmente no mercado externo. Atualmente, 30% de toda a produção são exportados para países como Estados Unidos, Holanda, França e Reino Unido. Em cinco anos, as vendas para os países estrangeiros devem representar 60%. E a marca já tem um bom canal fora do Brasil.



Fruto de um investimento de R$ 600 milhões, a Obrigado nasceu a partir de aportes de uma empresa familiar americana chamada Cilento. A origem da empresa chama a atenção. Em 2006, os americanos passaram a comprar terras no nordeste da Bahia para explorar o turismo. Diante de tantos coqueiros, se perguntaram se não poderiam explorar esse segmento.

Tecnologia na lavoura

Obrigado

O desenvolvimento do projeto começou em 2010 e só foi inaugurado em dezembro de 2015. No total, a companhia conta com uma área de 6,6 mil hectares de terra dos quais 2,2 mil destinados a plantações de coqueiros. A produção média de sua fazenda é de 200 frutas por planta por ano, enquanto a média nacional é de 34 frutas por planta por ano.

O segredo, diz Lessa, foi dividir a propriedade em pequenas áreas de 20 hectares e designar um responsável para cada pedaço de terra. “O funcionário visita aquela área todos os dias, acompanha cada detalhe da plantação e tudo é informatizado.” Cada árvore tem um código de barra e os funcionários trabalham munidos de máquinas digitais.

(Nota publicada na Edição 1007 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Gabriel Baldocchi, Márcio Kroehn e Paula Bezerra)

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Mais posts

A era da resiliência

Estudo da Fundação Dom Cabral e WayCarbon, especializada em projetos de baixo carbono, avalia impacto da pandemia nos negócios. Quem participou? AES Tietê , Ambev, Ecorodovias, EDP, Itaú, Microsoft, MRV, Natura, Telefônica e Tigre. Objetivo Mensurar as transformações causadas pela pandemia no meio corporativo. Principais constatações 1. Liquefação das fronteiras As empresas estão substituindo uma […]

Construção em alta

Braço de construção civil do Grupo Rodobens, a construtora e incorporadora RNI registrou um salto de 220% no último trimestre do ano passado e com vendas gerais de R$ 271 milhões. A empresa também atingiu R$ 6,8 bilhões em terrenos para novas construções (landbanking). Segundo Carlos Bianconi, CEO da RNI, o programa Casa Verde e […]

Contratam-se grávidas

A representatividade feminina está em alta no mercado de trabalho. Na Qualicorp, maior administradora de planos de saúde do Brasil, o [...]

A força do plástico verde

A Activas, uma das maiores distribuidoras de plásticos do Brasil, com receita de R$ 700 milhões no ano passado, fechou parceria com a americana Earth Renewable Technologies (ERT) para oferecer no País matérias-primas ou resinas biodegradáveis. A Activas terá a exclusividade no Brasil de distribuição de plásticos da ERT, feitos 100% a partir de fontes […]

Da nuvem para a bolsa

O forte movimento de migração de sistemas empresariais para a nuvem impulsionou o crescimento da V8 Consulting, especializada em [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.