Giro

Exercício regular pode reduzir o risco de desenvolver Covid grave, diz estudo

Crédito: Reprodução/Pexels

O estudo analisou dados de quase 50 mil pacientes adultos na Califórnia com diagnóstico de Covid-19 de janeiro de 2020 até o final de outubro de 2020. (Crédito: Reprodução/Pexels)

Em um novo estudo publicado no British Journal of Sports Medicine, pesquisadores e médicos do Kaiser Permanente Fontana Medical Center no sul da Califórnia, da University of California, San Diego e de outras instituições descobriram que os pacientes de Covid que se exercitavam regularmente antes de adoecer eram os menos provávies de serem hospitalizados, internados em UTI e de morrer em decorrência da doença.

O estudo analisou dados de quase 50 mil pacientes adultos na Califórnia com diagnóstico de Covid-19 de janeiro de 2020 até o final de outubro de 2020.

+ Com 3.462 mortes por covid em 24h, média móvel se mantém acima de 3 mil óbitos

“Mesmo depois de controlarmos variáveis ​​como obesidade e tabagismo na análise, ainda vimos que a inatividade estava fortemente associada a chances muito maiores de hospitalização, admissão na UTI e morte em comparação com a atividade física moderada ou qualquer atividade”, disse o Dr. Robert E, Sallis, médico do Centro Médico que conduziu o estudo.

De acordo com o especialista, os adultos devem fazer de 150 minutos a 300 minutos por semana de atividade física de intensidade moderada, ou 75 minutos a 150 minutos por semana de atividade física aeróbica de intensidade vigorosa. Mas Sallis acrescentou que mesmo um nível básico de exercício recomendado, “como caminhar 30 minutos por dia, cinco dias por semana, é suficiente para ajudar seu corpo a lutar contra uma variedade de doenças, incluindo Covid-19”.

Os pesquisadores do estudo estão recomendando que esforços para promover a atividade física sejam priorizados pelos órgãos de saúde pública e incorporados aos cuidados médicos de rotina

Outro estudo publicado pelo National Institutes of Health em junho vinculou o exercício regular a um aumento na resposta do sistema imunológico, o que poderia servir como uma ferramenta para ajudar a combater a Covid-19, disseram os pesquisadores.

No entanto, a intensidade do exercício pode ser importante, de acordo com outro estudo publicado em março, que descobriu que caminhantes lentos têm quase quatro vezes mais probabilidade de morrer de Covid do que aqueles que caminham com energia. O estudo analisou mais de 400 mil adultos de meia-idade no Reino Unido.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel