Giro

Ex-assessor de Trump encerra colaboração com investigação de invasão do Congresso dos EUA

Ex-assessor de Trump encerra colaboração com investigação de invasão do Congresso dos EUA

Trump quando apoiadores do ex-presidente invadiram o Capitólio dos Estados Unidos na tentativa de impedir a certificação da vitória do democrata Joe Biden na eleição presidencial - GETTY IMAGES/AFP/Arquivos

O ex-chefe de gabinete de Donald Trump decidiu encerrar sua cooperação com a comissão do Congresso que investiga a invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro por centenas de apoiadores do ex-presidente republicano, informou seu advogado nesta terça-feira(7).



Mark Meadows, que não compareceu à audiência no mês passado, é visto como uma testemunha-chave dos esforços de Trump para impedir a certificação da vitória eleitoral de seu adversário democrata, agora presidente Joe Biden.

Meadows inicialmente rejeitou uma intimação para testemunhar perante à comissão, o que poderia levar a possíveis acusações de desacato criminal, antes de concordar em compartilhar informações com os investigadores.

“Agora, as ações da comissão tornaram sua presença insustentável”, disse o advogado de Meadows, George Terwilliger, em uma nova carta enviada à comissão que circulou pela imprensa dos Estados Unidos.

O advogado afirmou que a mudança de opinião de Meadows veio depois que ele soube no fim de semana que a comissão havia “emitido intimações abrangentes para obter informações de um provedor de comunicações terceirizado”.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



“Em resumo, agora temos todas as indicações, a partir das informações fornecidas na sexta-feira passada – sobre as quais o Sr. Meadows poderia esperar ser questionado – de que o comitê não tem intenção de respeitar os limites relativos ao privilégio executivo”, acrescentou Terwillinger.

Meadows estava servindo como chefe de gabinete de Trump quando os apoiadores de Trump invadiram o Capitólio em uma tentativa de impedir a certificação de vitória de Biden.

Trump invocou o “privilégio executivo”, uma exceção disponível em teoria apenas para presidentes em exercício para proteger suas trocas privadas com seus assessores, em uma tentativa de evitar a entrega de documentos solicitados pela comissão.

O ex-assessor de Trump, Steve Bannon, foi preso no mês passado por desacato ao Congresso, após se recusar a testemunhar à comissão.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto