Finanças

Europa cede e vai aumentar os juros para domar uma inflação recorde

Banco Central Europeu indica a primeira alta de juros em 11 anos para conter os efeitos da guerra e da expansão monetária.

Crédito: Istock

Ajuste gradual Christine Lagarde, presidente do BCE, definiu um abandono cauteloso das políticas expansionistas. (Crédito: Istock)

Há duas maneiras de interpretar o resultado da reunião do Banco Central Europeu (BCE) que ocorreu na manhã da quinta-feira (9). A primeira é encarar o evento como uma não notícia. Em uma entrevista coletiva após o encontro, a presidente do BCE, a francesa Christine Lagarde, confirmou as expectativas dos analistas de que o Banco manteve inalterados os juros, que atualmente são negativos. A taxa referencial dos países da Zona do Euro segue em -0,5% ao ano. A segunda maneira é perceber que a reunião representa o abandono de uma política que valeu por quase 11 anos. Em julho de 2013, o BCE reduziu as taxas de juros de 0,75% para 0,5% ao ano. Desde então, esse percentual jamais voltou a subir. Até agora: Lagarde confirmou que haverá um aumento de 0,25 ponto percentual na próxima reunião do BCE, agendada para julho, e “muito provavelmente” outra elevação semelhante na reunião de setembro.

A decisão representa uma rendição do BCE à realidade dos fatos. Por qualquer métrica, a inflação na Zona do Euro está muito mais elevada do que o esperado. “As metas de inflação para a Europa são de 2% ao ano, mas os índices ao consumidor estão muito acima disso, em cerca de 8%”, disse a economista-chefe da gestora Reag, Simone Pasianotto. Ela fala com conhecimento de causa: moradora em Luxemburgo, Simone disse que a percepção de preços mais salgados é nítida em cada visita ao supermercado. “A inflação já é uma realidade na Europa, e as famílias estão sentindo diretamente a alta dos preços dos alimentos e da energia”, disse ela.

Os diretores do BCE têm um problema grave nas mãos. A projeção para a inflação ao consumidor nos 12 meses até maio é de 8,1%, acima dos 7,4% registrados nos 12 meses até abril. Aparentemente, apenas um reflexo da alta dos preços das commodities e do petróleo no mercado internacional. Porém, o núcleo da inflação, que desconsidera esses itens, está em 3,3% ao ano. O estrategista-chefe da Levante Ideias de Investimento, Rafael Bevilacqua, afirma que “no caso da inflação ao produtor, há países europeus que enfrentam taxas de até 30% ao ano, devido a problemas já conhecidos, como o descasamento entre oferta e demanda de commodities”.

Divulgação

“A inflação já é uma realidade na Europa. As famílias estão sentindo diretamente a alta dos preços dos alimentos e da energia” Simone Pasianotto, economista-chefe da gestora brasileira Reag, que mora em Luxemburgo.

CRESCIMENTO A economia europeia não apresenta desempenhos pujantes há pelo menos duas décadas. O principal motivo é o envelhecimento da população. Mesmo assim, a economia tem crescido nos últimos dois anos devido à expansão monetária decorrente das medidas contra a desaceleração causada pelo coronavírus. O que ocorreu na Zona do Euro não foi diferente do registrado nos Estados Unidos: com muito dinheiro em circulação, a economia segue girando e os preços sobem. Débora Nogueira, economista-chefe da Tenax Capital, diz que mesmo com a guerra e o aperto de juros, a economia tem entregado um crescimento resiliente. “E a visão é que o crescimento permaneça acima da média dos últimos anos em 2023 e em 2024”, afirmou. O impacto no mercado monetário já se fez sentir. No fim da tarde na Europa (fim da manhã no Brasil), o euro era negociado a 1,08 dólar, alta de 0,9% ante a véspera. No mercado de moedas, extremamente líquido, oscilações como essa são relevantes. A estimativa dos operadores de câmbio é que a moeda europeia se aprecie e retorne ao nível “psicológico” de 1,1 euro por dólar antes do fim do ano, algo que não ocorre desde meados de março.

A incógnita de vários bilhões de euros é até quando isso vai durar. A dúvida é o que ocorre a leste. Para a economista chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, o BCE vinha protelando essa elevação de juros, pois ainda não se sabe o impacto da guerra na Ucrânia. “Qualquer conflito tem um efeito recessivo sobre a economia, e o impacto direto sobre a Zona do Euro é muito maior”, disse ela. Segundo Camila, Lagarde e sua equipe devem ser muito cautelosos, para evitar que o ajuste para conter a inflação não signifique mergulhar a economia europeia em recessão. Por enquanto, as projeções dos analistas são de que o processo de elevação das taxas siga gradualmente por pelo menos mais dois anos. Simone, da Reag, diz que “a projeção do BCE é que a inflação só volte para a meta de 2% em 2024”. Até lá, será período de política monetária mais austera na Europa. Demorou, mas o ajuste começou na margem direita do Oceano Atlântico.