Giro

EUA restringe entradas no país dos membros do Partido Comunista Chinês

Crédito: AFP/Arquivos

(Arquivo) Bandeiras dos Estados Unidos e da China em hotel de Pequim - AFP/Arquivos (Crédito: AFP/Arquivos)

Washington adotou novas regras, mais rígidas, que limitam a entrada dos membros do Partido Comunista Chinês (PCC) nos Estados Unidos, informa nesta quinta-feira o jornal New York Times, que cita o Departamento de Estado.

As novas restrições, que entraram em vigor na quarta-feira, limitam a duração dos vistos dos membros do PCC e seus parentes diretos a um mês e não permite mais que uma entrada no país, segundo o jornal.

+ EUA espera vacinar 100 milhões de pessoas contra a covid-19 até o fim de fevereiro
+ Petróleo fecha em alta com queda de estoque nos EUA e cortes na produção da Opep+

“Durante décadas permitimos ao PCC um acesso livre e sem obstáculos às instituições e empresas americanas, quando estes privilégios nunca foram recebidos pelos cidadãos americanos na China”, afirmou um porta-voz do Departamento de Estado, citado pelo New York Times.



Antes, os demandantes de visto poderiam obter uma autorização permanente como visitante para 10 anos. Segundo o jornal, as novas restrições poderiam afetar, teoricamente, 270 milhões de pessoas.

As tensões bilaterais se aprofundaram nos últimos anos em diversos âmbitos e os dois países adotaram medidas que restringem as viagens.

As autoridades de Pequim não confirmaram as novas restrições nesta quinta-feira, mas já haviam mencionado a possibilidade de aprovação das medidas, que consideraram uma “atitude odiosa e anormal em relação ao Partido Comunista”.

“Algumas forças antiChina nos Estados Unidos, estimuladas por um forte viés ideológico e uma mentalidade ancorada na Guerra Fria, estão oprimindo politicamente a China”, se limitou a declarar um porta-voz do ministério das Relações Exteriores em Pequim nesta quinta-feira.

Este ano, as autoridades chinesas expulsaram 15 jornalistas americanos de meios de comunicação importantes. Washington reduziu o número de credenciais dos jornalistas chineses para os órgãos governamentais e tornou mais severas as regras para vários meios de comunicação estatais chineses em seu território, por considerar que são “órgãos de propaganda”.

Além disso, nos quatro anos de governo de Donald Trump foram revogados os vistos de quase 1.000 estudantes e pesquisadores chineses suspeitos de espionagem nos Estados Unidos.

Pequim reagiu à decisão com a denúncia de “perseguição política e discriminação racial”.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km