Giro

EUA reforça segurança de especialista de saúde que recebeu ameaças

EUA reforça segurança de especialista de saúde que recebeu ameaças

O doutor Anthony Fauci, de 79 anos e especialista em doenças infecciosas - AFP/Arquivos


O governo dos Estados Unidos reforçou a segurança de seu principal cientista na batalha contra a pandemia de coronavírus, Anthony Fauci, o epidemiologista que recebeu ameaças depois de contradizer as interpretações e previsões duvidosas do presidente Donald Trump.

Um porta-voz dos US Marshals informou nesta quinta-feira (2) que Fauci, o renomado especialista que é o rosto da resposta oficial ao vírus, recebeu proteção especial por agentes dessa unidade federal de aplicação da lei que responde ao Departamento de Justiça.

Os agentes já estavam a serviço do Departamento de Saúde americano, disse o porta-voz.

Fauci, um experiente funcionário do governo, aparece ao lado de Trump em todas as sessões informativas da Casa Branca sobre a pandemia da COVID-19.

Ele é reconhecido por fornecer informações diretas e baseadas em fatos sobre a doença, que já matou 5.100 americanos.

Ainda assim, o médico, de 79 anos, o especialista em doenças infecciosas mais reconhecido do país, foi atacado por conservadores, depois de contradizer algumas alegações de Trump sobre o vírus.

Ele expressou publicamente sua discordância com o plano de Trump – agora descartado – de aliviar as restrições de isolamento em 14 de abril e subestimou a promoção do presidente da hidroxicloroquina e da cloroquina como tratamentos confiáveis para o coronavírus.

Os seguidores de Trump, então, atacaram Fauci duramente na Internet e o acusaram de ser um agente do “Estado profundo”, cujo objetivo seria enfraquecer o presidente.

Nesta quinta-feira, Fauci evitou perguntas sobre sua segurança.

“É realmente meio doido. Tentamos não prestar atenção nisso e nos concentrarmos apenas na responsabilidade e no trabalho que temos. Essa é a coisa mais importante”, disse ele à emissora de televisão CBS News.