Economia

EUA: Perspectivas são altamente incertas e as empresas estão ‘pessimistas’

EUA: Perspectivas são altamente incertas e as empresas estão ‘pessimistas’

(FILES) O atual presidente do Fed, Jerome Powell - AFP/Arquivos

Após semanas de paralisações econômicas, as perspectivas de recuperação continuam “altamente incertas” nos EUA e as empresas de todo o país lamentam sobre o tempo que levará para que as coisas possam voltar ao normal, declarou o Federal Reserve nesta quarta-feira (27).

Uma pesquisa do Livro Bege do Fed apontou que nas útlimas semanas a atividade econômica continuou em queda acentuada em todas as regiões dos EUA, com uma redução considerável na compra e venda de automóveis e inquilinos com dificuldades para pagar o próprio aluguel.

Cidades e estados americanos imploram por ajuda federal ante pandemia

Fed diz que não descansará até que o mercado de trabalho apertado retorne nos EUA 

“Embora muitos dos consultados tenham expressado esperança de que a atividade geral apresente uma melhora com a reabertura do comércio, as perspectivas permanecem altamente incertas e a maioria deles é pessimista quanto ao ritmo de recuperação”, segundo a pesquisa.

De acordo com o documento, as suspensões ocasionadas pela pandemia da COVID-19 fizeram com que a atividade econômica diminuísse em todos os 12 distritos analisados pelo Fed, com a maioria deles apresentando quedas vertiginosas no emprego.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Dados do governo mostram que desde março o número de demissões se aproxima aos 40 milhões, embora alguns dos bancos regionais do Fed relatem que a maioria delas sejam temporárias.

As empresas também apontaram uma lista de “desafios para trazer funcionários de volta ao trabalho, incluindo preocupações com a saúde dos funcionários e acesso limitado a cuidados com as crianças (dependentes)”.

Havia uma forte procura pelo Programa de Proteção ao Pagamento (PPP) do governo, que ajudou as empresas a “limitar ou evitar” demissões, de acordo com o relatório.

No entanto, algumas empresas afirmam ter realizado aumentos salariais temporários para trabalhadores essenciais como forma de “competir com o seguro-desemprego”, que foi ampliado em meio à pandemia.

A pesquisa nacional coletou informações até 18 de maio, em preparação para a próxima reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto do Fed, que ocorrerá nos dias 9 e 10 de junho.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel