Giro

EUA destaca seu papel na vacinação mundial anticovid em meio ao aumento da variante Delta

EUA destaca seu papel na vacinação mundial anticovid em meio ao aumento da variante Delta

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, antes de um discurso em Washington - AFP

Os Estados Unidos anunciaram, nesta terça-feira (3), que doaram mais de 100 milhões de doses de vacinas anticovid em todo o mundo, enquanto o presidente Joe Biden busca conter o aumento casos pela variante Delta.

O anúncio, que segue a conquista tardia de Biden de aplicar ao menos uma dose da vacina em 70% da população adulta até 4 de julho, marca “só o começo” dos esforços dos Estados Unidos para ajudar o mundo a combater a covid-19, disse a Casa Branca.

O coronavírus matou pelo menos 4,2 milhões de pessoas desde seu surgimento na China no final de 2019. Os Estados Unidos, com mais de 613.000 mortes, são o país com mais vítimas mortais do mundo.

A disponibilidade de vacinas fez com que o número diário de novos casos se reduzisse drasticamente em muitos países nos últimos meses, mas a variante Delta, altamente contagiosa, impulsiona o aumento das infecções.



Biden planeja fazer declarações às 16h45 (horário de Brasília) sobre uma “peça fundamental de sua estratégia para acabar com a pandemia de covid-19: conter a propagação do vírus no exterior”, segundo um comunicado da Casa Branca.

Até agora, os Estados Unidos enviaram 111.701.000 doses para mais de 60 países, a maioria por meio da iniciativa internacional Covax impulsionada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas também em colaboração com sócios como a União Africana ou Caricom (Comunidade do Caribe).

“Segundo as Nações Unidas, isso é mais do que as doações de todos os outros países combinados e reflete a generosidade do espírito americano”, afirmou um comunicado da Casa Branca.

Segundo a lista de países publicada, que inclui 16 latino-americanos, os principais beneficiados foram Indonésia (8 milhões de doses), Filipinas e Colômbia (6 milhões de doses ou mais), assim como Vietnã, Bangladesh, Paquistão e África do Sul (5 milhões ou mais).

Na América Latina, além da Colômbia, houve envios para Guatemala (4,5 milhões), México (4,04), Argentina (3,5), Brasil, El Salvador e Honduras (3 milhões cada um), Paraguai, Peru e Equador (2 milhões cada um), Bolívia (1,008 milhão) e Costa Rica, Haiti, Panamá e Uruguai (com 500.000 ou mais cada um).

O governo de Biden afirmou que, a partir do final de agosto, começará a enviar os 500 milhões de doses da vacina Pfizer que se comprometeu a doar a 100 países em desenvolvimento.

A Casa Branca insistiu que os Estados Unidos não usam as imunizações contra a covid-19 para ganhar o favor de outros países. China e Rússia foram acusadas de participarem da chamada “diplomacia das vacinas”.

Biden prevê falar nesta terça-feira sobre o empenho de seu governo para incentivar a vacinação no exterior, mas também no país, à medida que a variante Delta se propaga e desencadeia novas restrições por parte das autoridades de governo e das empresas.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago