Economia

EUA: Boeing 737 MAX não será recertificado até 2020

EUA: Boeing 737 MAX não será recertificado até 2020

Depois de acidentes que mataram 346 pessoas, a Boeing tem como objetivo obter o 737 MAX certificado para voltar aos céus este mês, mas a FAA diz que isso não pode acontecer até 2020 - GETTY/AFP/Arquivos

As aeronaves 737 MAX da Boeing, que estão em solo desde março após dois acidentes fatais, não serão autorizadas a voar até 2020, informou nesta quarta-feira o principal órgão regulador dos Estados Unidos.

O chefe da Administração Federal de Aviação (FAA), Steve Dickson, disse à CNBC que o processo para aprovar o retorno do MAX aos céus ainda tem etapas a serem concluídas, incluindo um voo de certificação e um período de avaliações.

“Se fizermos as contas, isso se estenderá para 2020”, disse Dickson.

A Boeing pretendia obter aprovação regulatória este mês, com voos projetados para retomar em janeiro, mas Dickson foi enfático: “Deixei bem claro que o plano da Boeing não é o plano da FAA”.

Ele acrescentou que “apoiarão a equipe na execução correta deste relatório”.

A Boeing e a FAA estão sob intenso escrutínio após acidentes que, juntos, mataram 346 pessoas e levaram a Boeing a cortar a produção do jato mais vendido enquanto novas entregas de aviões foram suspensas.

Dickson deve enfrentar outra rodada de questionamentos difíceis em uma audiência no Congresso nesta quarta-feira.

Os legisladores questionam se os acidentes foram o resultado da negligência de funcionários da FAA em relação à Boeing durante o processo de certificação das aeronaves.