Economia

Etanol: Raízen pode licenciar tecnologia de 2ª geração para outros países

A Raízen pode licenciar a tecnologia de etanol de segunda geração, ou 2G, para outros países, afirmou o vice-presidente de etanol, açúcar e bioenergia da empresa, Francis Queen. “Precisamos ter mais países produtores, isso é essencial para o etanol ser uma commodity global”, disse ele na tarde desta terça-feira (25), durante o evento Fenasucro & Agrocana Trends.

“Vemos muito positivamente que a Índia aumente a produção de etanol, queremos ver isso na Tailândia também. Nós, da Raízen, estamos dispostos a ajudar tecnicamente. Estamos conversando até sobre licenciar tecnologia de etanol 2G para outros países.” O etanol 2G é produzido com subprodutos ou coprodutos do processo convencional de produção do biocombustível.

O diretor de Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Pietro Mendes, disse no mesmo evento que o governo trabalha para expandir globalmente o etanol tanto na parte de políticas públicas quanto com o setor privado. “É importante que outros governos entendam como o Brasil desenvolveu uma política pública de etanol, como é a regulação. Mas isso também não funciona sem o setor privado”, disse.

Ele afirmou que a grande fronteira de expansão no momento está na Ásia, em países como Índia e Tailândia. “Esses dois já são produtores de açúcar, então tem um efeito positivo duplo para o nosso setor. Você reduz a oferta de açúcar e equilibra o mercado, e aumenta o número de produtores de etanol, assim o Brasil não fica sozinho com essa bandeira.” Mendes destacou também a necessidade de exportar tecnologia automotiva, para demonstrar que o uso do etanol não causa problemas em veículos.



O embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy, que também participou da discussão, apontou que empresas indianas estão começando a entrar com mais força no setor do etanol, e que o momento é bom para se analisar opções de parceria. “A Índia está entre os principais produtores de automóveis, então temos um mercado grande. E nossa classe média vem crescendo”, complementou.

Para o presidente e CEO da Volkswagen na América Latina, Pablo di Si, o momento atual é crítico para definir se o Brasil “será protagonista ou não” no etanol. “A tecnologia e a energia estão mudando muito rapidamente, e nós precisamos abraçar isso.” Ao ser perguntado sobre veículos elétricos movidos a etanol, ele disse que ainda é preciso haver mais pesquisa.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Tópicos

2G etanol Raízen