Ciência

Estudo revela que muitos pacientes de covid sofrem de fadiga e falta de ar um ano depois

Estudo revela que muitos pacientes de covid sofrem de fadiga e falta de ar um ano depois

Uma criança é examinada para covid-19 na China - AFP/Arquivos

Muitas pessoas que sofreram de covid-19 continuam a sentir sequelas como fadiga ou falta de ar um ano depois de ter a doença, revelou um estudo chinês sobre os efeitos a longo prazo da pandemia.



“Cerca de metade” dos pacientes que recebem alta do hospital “sofrem pelo menos um sintoma persistente (o mais comum é a fadiga ou fraqueza muscular) e um em cada três ainda sofre com falta de ar” doze meses depois, aponta o artigo publicado nesta sexta-feira na revista britânica The Lancet.

Essas proporções são ainda maiores entre os pacientes acometidos por uma forma grave da covid-19 e que foram internados em unidades de terapia intensiva.

A pesquisa foi baseada em um check-up médico realizado em quase 1.300 pessoas que deixaram entre janeiro e maio de 2020 um hospital em Wuhan, a primeira cidade afetada pela pandemia.

Esses dados foram comparados com aqueles coletados seis meses após a alta dos pacientes.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



“A proporção de pacientes com pelo menos um sintoma ou sequela diminuiu de 68% após seis meses para 49% após doze”, observaram os pesquisadores.

Em contraste, a proporção de pacientes com dispneia (problemas respiratórios) “aumentou ligeiramente” de 26% para 30%.

Além disso, o grupo de pacientes que apresentou diminuição da capacidade de difusão pulmonar não apresentou melhora nesse período.

O estudo alerta para um aumento no número de pacientes com ansiedade ou depressão, de 23 para 26%.

Os autores observam que as mulheres têm 43% mais probabilidade de sofrer de fadiga persistente ou fraqueza muscular e duas vezes mais probabilidade de sofrer de ansiedade ou depressão.

Apesar dessas sequelas, o estudo indica que 88% dos pacientes que tiveram covid-19 que trabalharam quando infectados puderam retomar suas ocupações um ano depois.

Este estudo, o primeiro com uma perspectiva de um ano, se junta a outras pesquisas recentes que pedem às autoridades de saúde que se “preparem para apoiar pacientes de covid-19 de longo prazo”.

“A covid persistente é um grande desafio médico”, adverte The Lancet em um editorial ao lado do estudo.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto