Economia

Estudo preliminar indica que Butanvac é segura e induz alta resposta imune

Crédito: REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa

Vacinação contra Covid-19 (Crédito: REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa)

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) – Um estudo preliminar realizado por pesquisadores norte-americanos e tailandeses apontou que a Butanvac, potencial vacina contra Covid-19 que está sendo desenvolvida em parceria envolvendo o Instituto Butantan, mostrou-se segura e com indução de alta resposta imune em teste de Fase 1, informou o governo do Estado de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado.

De acordo com o governo paulista, o teste com a vacina, conhecida internacionalmente como NDV-HXP-S, foi feito com 210 voluntários de entre 18 e 59 anos, sendo 82 homens e 128 mulheres. Os dados apontam que todas as formulações da vacina foram bem toleradas nos voluntários, com efeitos adversos –sem ocorrência grave– registrados em menos de um terço dos participantes.

Covid-19: Piracicaba cadastra voluntários para testes clínicos



Os voluntários receberam duas doses da potencial vacina, com intervalo de 28 dias entre elas, e após 14 dias da aplicação da segunda dose, foi registrada uma “uma resposta imunológica marcante”.

“A vacina inativada tem um perfil de segurança aceitável e é altamente imunogênica. Esta vacina pode ser produzida a baixo custo em qualquer instalação projetada para a produção da vacina inativada do vírus da influenza”, disseram os pesquisadores em artigo sobre o estudo preliminar.

O Butantan também realiza estudos de Fase 1 com a Butanvac no Brasil e, na semana passada, o presidente do instituto, Dimas Covas, afirmou que eles devem ser concluídos “muito rapidamente”, sem especificar um prazo.

Covas disse ainda que o Butantan já produziu 10 milhões de doses da potencial vacina. A promessa do instituto é ter 40 milhões de doses prontas até o final do ano.

A Butanvac está sendo produzida na mesma unidade em que o Butantan fabrica as vacinas contra gripe usadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Covas disse que a capacidade da planta é de produção de 200 milhões de doses anuais da Butanvac.

Antes de ter um eventual pedido de registro analisado pelos órgãos reguladores, o imunizante em estudo precisa passar por testes clínicos de Fases 2 e 3. Não há um prazo para que isso ocorra. O presidente do Butantan disse na semana passada que a Butanvac é uma “grande esperança” para a vacinação contra Covid-19 em 2022.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8R0RF-BASEIMAGE

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km