Giro

Estudo afirma que fumar deixa a pessoa menos sociável

Crédito: Reprodução/Pixabay

O tabagismo também foi associado à maior redução no contato social, aumento no desengajamento social e da solidão ao longo do tempo (Crédito: Reprodução/Pixabay)

O cigarro costuma entrar na vida das pessoas ainda na juventude, muitas vezes para se ‘enturmar’ com amigos que já são consumidores. Porém, segundo estudo do Reino Unido, os fumantes podem se tornar mais socialmente isolados e solitários do que quem não usa cigarro, especialmente à medida que envelhecem.

No estudo publicado no periódico científico The Lancet Regional Health Europe, os pesquisadores descobriram que, com o tempo, as pessoas que fumavam viram o contato social diminuir, tornando-se menos engajadas socialmente e mais solitárias, em comparação com os não tabagistas.



+ Cigarro eletrônico aumenta risco de impotência em homens, diz estudo

“Nossa pesquisa sugere que fumar é ruim para aspectos da saúde psicológica e social, além dos impactos físicos bem estabelecidos do tabagismo. Algumas pessoas pensam que fumar é uma atividade social, mas nosso estudo não apoiou essa ideia. Os fumantes, na verdade, se tornaram mais isolados e solitários socialmente ao longo do tempo do que os não fumantes”, conta o pesquisador Keir Philip, do Imperial College, um dos autores do estudo, citado pelo site da universidade britânica.

No estudo, cientistas usaram o banco de dados English Longitudinal Study of Aging (ELSA), composto por 8.780 pessoas com 50 anos ou mais que vivem na Inglaterra. O isolamento social e a solidão dos participantes foram avaliados ao longo de 12 anos – em intervalos de quatro, oito e 12 anos.

+ Especialista revela o segredo dos bilionários da bolsa. Inscreva-se agora e aprenda!



Os pesquisadores descobriram que, no início do estudo, os fumantes eram mais propensos a serem solitários e socialmente isolados do que os não fumantes, tendo interações sociais menos frequentes com familiares e amigos, envolvimento menos frequente com atividades comunitárias e culturais e sendo mais propensos a viverem sozinhos.

O tabagismo também foi associado à maior redução no contato social, aumento no desengajamento social e da solidão ao longo do tempo, revela a Imperial College.

Como a pesquisa é observacional, não se pode determinar a causa para essa associação, mas os autores especulam que pode ser devido a uma série de fatores, incluindo: fumantes correm um risco maior de desenvolver falta de ar e outros problemas de saúde física, o que limita a capacidade de socializar; o tabagismo está associado a um risco aumentado de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão; e os amigos de quem fuma são mais propensos ao tabagismo e, portanto, podem morrer prematuramente.