Giro

Estudantes simulam leilão de escravos com alunos negros em escola americana

Crédito: Conselho Tutelar/Redes Sociais

O pai de uma das vítimas disse que os envolvidos no leilão receberam uma suspensão de um dia e alega que seu filho foi agredido por um colega de classe (Crédito: Conselho Tutelar/Redes Sociais)

Um suposto “leilão de escravos” realizado por estudantes de uma escola da Carolina do Norte estaria vendendo estudantes negros, revelou um pai no Facebook, levando um dos superintendentes a enviar uma carta aberta à comunidade escolar condenando o racismo.

“Tomamos conhecimento de incidentes recentes envolvendo estudantes usando linguagem racialmente insensível e imagens ofensivas”, disse o superintendente Dr. Anthony Jackson. No entanto, a carta não descrevia especificamente os incidentes.



+ Homem que denunciou vereador por racismo acusa condomínio no Rio de ‘retaliação’

Um grupo de pais e membros da comunidade pediu ao Distrito Escolar do Condado de Chatham para fazer mudanças depois que vários casos de bullying racial relatados nas escolas do distrito. Em um post no Facebook em 4 de março, Ashley Palmer disse que seu filho negro disse que alguns de seus colegas de classe foram vendidos em um leilão simulado de escravos.

Em um post posterior, Palmer disse que os alunos envolvidos no leilão receberam uma suspensão de um dia e alega que seu filho foi agredido por um colega de classe e enfrentou “assédio contínuo” na escola desde que relatou o incidente.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Antes de apresentar ao conselho escolar um plano de ação, Anthony Jackson pediu desculpas. Seu plano de ação incluiu mudanças na política distrital de como as situações discriminatórias seriam tratadas do início ao fim – incluindo notificação de pais e responsáveis, investigação, disciplina, apoio social e recursos para vítimas, treinamento de funcionários e um plano de ação posterior. O conselho votou por unanimidade para adotar seu plano de ação.