Giro

Especialistas canadenses terão acesso a caixas-pretas do avião derrubado no Irã

Especialistas canadenses terão acesso a caixas-pretas do avião derrubado no Irã

Homem iraniano levanta foto de uma das vítimas do acidente aérei do Boeing 737-800 - AFP

Especialistas canadenses enviados nesta segunda-feira (13) a Teerã para investigar a queda do Boeing ucraniano por militares iranianos terão acesso às caixas-pretas da aeronave, informaram as autoridades.

Na próxima quinta-feira (16), diplomatas dos cinco países com vítimas do desastre se reunirão na embaixada canadense em Londres para discutir a situação.

No último sábado (11), o Irã admitiu ter atingido acidentalmente o Boeing 737-800 da companhia aérea Ukraine International Airlines, com 176 passageiros, dos quais 57 eram canadenses. Todos os ocupantes da aeronave morreram.

“Não sabemos onde chegaremos com a investigação”, mas “o nosso papel será muito limitado”, conforme as regras da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI), disse a presidente da entidade canadense de Segurança do Transporte, Kathy Fox, em coletiva de imprensa.

No entanto, a presidente do órgão ressaltou que há indicativos de que o Irã permitirá que os especialistas canadenses “desempenhem um papel mais ativo (na investigação) do que normalmente é permitido”.

Segundo Fox, é previsto que dois investigadores canadenses cheguem ao Teerã ainda nesta segunda-feira.

Os especialistas foram convidados pelo Irã, que está comprometido com a investigação sobre o ocorrido, para auxiliar na análise das caixas-pretas do Boeing, que registram as informações técnicas dos voos e as conversas da tripulação.

Os especialistas canadenses também terão acesso o local do acidente e poderão analisar destroços do avião, que está sendo reconstruído.

Na próxima quinta-feira (16), um grupo coordenado por países que tiveram vítimas na queda da aeronave se reunirá em Londres, por iniciativa do Canadá, como anunciou o chanceler François-Philippe Champagne. Esses países já mantinham contato para discutir uma eventual indenização.

“Convocamos a primeira reunião presencial do grupo internacional de coordenação e intervenção na quinta-feira (16), na embaixada canadense em Londres”, escreveu Champagne no Twitter.

Os ministros de Relações Exteriores dos cinco países que fazem parte do grupo de vítimas buscarão pressionar o Irã para obter acesso consular, organizar a repatriação dos restos mortais e exigir uma investigação transparente do caso por parte daquele país, disse à AFP um porta-voz da chancelaria canadense.

A escalada de tensão entre o Irã e o Estados Unidos ocorre desde o falecimento do general iraniano Qasem Soleimani, chefe de operações do exército de elite Guardiões da Revolução, no Iraque, morto durante operação com drones americanos no último 03 de janeiro.

Veja também

+ Quarta parcela do auxílio sai hoje (14) para os nascidos em agosto

+ Cunhado de Maradona morre de Covid-19 na Argentina

+ Nazistas ou extraterrestres? Usuário do Google Earth vê grande ‘navio de gelo’ na costa da Antártida

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?