Giro

Especialista identifica cinco tipos de ‘Covid longa’ que deixam sequelas diferentes

Crédito: Reprodução/Pixabay

Em alguns doentes Covid-19, nota-se que a carga viral parece não diminuir, devido a células infectadas que continuam a produzir cadeias genéticas do vírus (Crédito: Reprodução/Pixabay)



Até ao momento já foram identificados mais de 200 sintomas associados ao novo coronavírus, os cientistas seguem procurando determinar quanto tempo, ao certo, demora a infecção.

A especialista em doenças infecciosas Alexandra Brugler Yonts, do Children’s National Hospital, nos Estados Unidos, explicou à ‘Fortune’ que divide as infecções de longa duração por Covid-19 em cinco categorias, usando como critérios as sequelas deixadas pela doença.

+ Brasil tem 77,5% da população total com esquema vacinal primário completo contra a covid

A primeira categoria agrupa os pacientes que apresentam danos nos seus órgãos devido à infecção, que causarão problemas de saúde no longo-prazo. Como exemplo, cerca de 50% das pessoas que contraíram a doença ainda apresentam lesões pulmonares um ano após a infecção.




Outra classificação se fixou no processo de inflamação, uma resposta imunológica que tem como propósito atacar células infectadas. Contudo, há registo de casos em que a reação inflamatória persiste muito tempo após a infecção, o que poderá prejudicar o saudável funcionamento de outros órgãos.

A disautonomia é outra das categorias apresentadas pela especialista, e define o conjunto de perturbações ao nível do funcionamento do sistema nervoso autônomo, que rege os impulsos nervosos, gerados sem a vontade ou intenção da pessoa, que vão do cérebro ou da medula espinal até, por exemplo, as glândulas e o coração.

Algumas pessoas que contraíram a Covid-19 experienciaram efeitos diretos sobre o sistema autônomo, sendo que se estima que a Síndrome da Taquicardia Postural Ortostática (POTS) afeta doentes Covid-19 de longa duração. Considerada uma resposta autoimune, a POTS poderá causar irregularidades no ritmo cardíaco e na pressão arterial à medida que a pessoa muda de posição, por exemplo, levantando-se da cama ou de uma cadeira.


Em alguns doentes Covid-19, nota-se que a carga viral parece não diminuir, devido a células infectadas que continuam a produzir cadeias genéticas do vírus, prolongando a infecção por vários meses, e, do ponto de vista de Alexandra Brugler Yonts, constitui mais uma categoria de infecção prolongada.

A classificação final está relacionada com alterações ao nível da capacidade de resposta imunológica. A especialista disse à ‘Fortune’ que a ocorrência desta categoria já foi observada em conjunto com outras categorias, mas também já se verificou sozinha.

Dias após a infecção, o sistema imunitário procura autonormalizar-se, corrigindo os picos de resposta verificados para combater o agente patogénico. Contudo, ao reduzir a atividade, pode expor o organismo a vírus que, em situações normais, poderia combater. A especialista conta que alguns pacientes jovens que tiveram Covid-19, após a infecção, acabaram por contrair doenças como a mononucleose, que o corpo poderia ter repelido facilmente se o sistema imunitário estivesse a funcionar normalmente.

Yonts explica que os cientistas se devem focar na identificação das causas destas infecções de longa duração, para que seja possível conceber os tratamentos mais adequados e minimizar as sequelas a longo prazo da infecção de Covid-19.






Tópicos

. Sanofi vacina 3ª dose 4ª dose astrazenca sintomáticos astrazeneca coágulos astrazeneca efeitos colaterais astrazeneca eficácia astrazeneca vacina vencida BIOMM butanvac butanvac eficacia Butanvac estudos Butanvac lançamento Butanvac origem butanvac piracicaba butanvac voluntários CanSino ceo moderna Como é a variante indiana? como funciona vacina pelo nariz? como testar butanvac coronavac 3ª dose coronavírus coronavírus Brasil coronavírus quantas cepas covid infectados brasil covid infectados mundo curevac dose de reforço dose de reforço 60 anos doses diferentes efeitos colaterai vacina eficacia coronavac eficácia coronavac variante indiana eficácia curevac eficácia pfizer eficácia pfizer primeira dose eficácia segunda dose eficacia vacina Oxford estados vão manter vacinação adolescentes fim da pandemia fiocruz eficácia fiocruz produção fiocruz vacina Foi liberado a vacina para maiores de 18 anos? imunidade dura quanto tempo 3ª dose imunização ativa e passiva imunização de rebanho imunização SP infectados EUA covid inscrições teste butanvac Janssen eficácia janssen janela de imunização janssen período de proteção janssen precisa de mais uma doze maiores de 50 nova vacina no Brasil O que é a variante P4 da Covid-19? o que é resposta imune? OMS autoriza imunizante feito na América Latina OMS vacina argentina México OMS vacina latino americana pandemia balanço brasil pandemia balanço mundo pfizer 3ª dose pfizer efeitos adversos pfizer segunda dose planos de vacinação brasil por que anvisa proibiu coronavac porque Sanofi suspendeu vacina? pra que tomar 3ª dose? quais vacinas estão sendo aplicadas no brasil quais variantes já chegaram no Brasil? Qual é a nova variante da Índia? qual vacina precisa de 3ª dose? qual vacina precisa dose de reforço Qual vacina protege contra variante delta? Qual vacina protege contra variante indiana? quando a pandemia vai acabar quando vão liberar a Butanvac quantas vacinas Butantan quantas vacinas tem o Brasil quarta dose quarta dose benefício quarta dose imunidade