Finanças

Erro da B3 inflou fluxo de estrangeiro de 2022 em R$27 bi

Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

Sede da B3 (Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli )



Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) – A B3 anunciou nesta sexta-feira uma revisão metodológica nos dados do segmento de ações que fez o saldo de capital estrangeiro em 2022 ficar 27 bilhões de reais menor.

Luís Kondic, diretor de produtos e dados da B3, explicou a jornalistas que a empresa descobriu um erro ligado à inclusão equivocada de dados de empréstimos de ação. A B3 está revisando os números de 2020 e 2021, enquanto os de 2022 foram concluídos.

+ XP vê ações brasileiras atrativas, eleva projeção do Ibovespa a 130 mil pontos em 2022




Desde outubro de 2020, dados de negociação por categoria de investidor (institucional, estrangeiro, pessoa física) divulgados pela B3 incluíam operações de empréstimo de ações em tela (modalidade que passou a ser oferecida naquele mês). “Esse tipo de operação não deveria estar sendo computada”, já que não tem fluxo financeiro, disse Kondic.

Os empréstimos em tela representam cerca de 30% do fluxo total de empréstimos de ações na B3, segundo a empresa.

Para 2022, o saldo do fluxo de capital estrangeiro na bolsa, que era de 91,1 bilhões de reais até 30 de março, passa a ser agora de 64,1 bilhões de reais, o que significa que o número anterior era 42,1% maior.


A revisão do restante dos números não tem data para ser concluída e não há impacto nos dados financeiro e contábeis da B3, disse Kondic.

Em termos líquidos, o maior efeito das mudanças em 2022 foi em fevereiro, com a redução de 9,5 bilhões de reais em relação ao dado anterior. Os cortes foram de 9,1 bilhões de reais em janeiro e de 8,4 bilhões de reais em março, que ainda não tem dados completos.

A entrada de fluxo estrangeiro na bolsa brasileira é vista como um dos principais motivos para o bom desempenho do Ibovespa, que em 2022 já subiu 16%.

Questionado se a revisão muda a leitura sobre a performance da bolsa brasileira, Kondic disse que a B3 apenas identificou o erro e que a leitura e avaliação do cenário macro “fica por conta dos analistas”.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI302E5-BASEIMAGE