Negócios

Equatorial: lucro líquido ajustado vai a R$ 172 milhões no 1º trimestre (+85,1%)

A Equatorial Energia apresentou lucro líquido ajustado de R$ 172 milhões no primeiro trimestre, alta de 85,1% sobre o mesmo período do ano anterior.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado ajustado ficou em R$ 604 milhões, valor 86,6% maior na mesma comparação, o que a administração explica como “fortemente impactado pela aplicação do IFRS sobre os ativos de transmissão”. A margem Ebitda passou de 13,5% para 18,0%. Os resultados ainda não incluem os números da Ceal, após processo de privatização da distribuidora da Eletrobras, rebatizada de Equatorial Alagoas.

No caso da Cepisa, em abril encerrou-se o prazo para exercício de opção da Eletrobras de aumento de capital para atingir até 30% de participação, o que não ocorreu, de modo que a Equatorial permanece com 94,5% do capital da companhia energética do Piauí, também adquirida em leilão de privatização.

A receita líquida do grupo cresceu 39,7% para R$ 3,360 bilhões, e o volume total de energia distribuída atingiu 4.294 GWh, uma queda de 1,2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, devido ao crescimento de 1,6% em Cemar, 1,1% em Cepisa e retração de 4,2% no volume faturado da Celpa. O número de consumidores cresceu 1,6%, para 6,436 milhões.

A dívida líquida da Equatorial saltou para R$ 8,647 bilhões, 173,2% de aumento, ao passo que a relação dívida líquida/Ebitda ajustado alcançou 3,8 vezes, de 1,8x no primeiro trimestre do ano passado, “fruto do início da consolidação apenas da dívida da Equatorial Alagoas, porém ainda sem consolidação de resultados”, diz o informe de resultados. O resultado financeiro foi uma despesa de R$ 50 milhões negativos, 35% menor.