Economia

Entregadores de aplicativo planejam greve para 1° de julho

Crédito: AFP

Entregadores de aplicativo aguardando a próxima entrega (Crédito: AFP)

Motoboys que utilizam os aplicativos de entrega estão se organizando em todo o País para um protesto no dia primeiro de julho. A categoria pede melhores condições de trabalho durante o período da pandemia de coronavírus.

Os trabalhadores reivindicam um aumento no pagamento das corridas e da taxa mínima das entregas, seguro de vida, cobertura contra roubos e acidentes, além de um voucher para compra de equipamentos de proteção individual.

+ Bares e restaurantes vão além do delivery
+ Procon aciona a Polícia contra iFood e Rappi por golpe de entregadores

Segundo a Folha de São Paulo, os entregadores também pendem o fim de bloqueios e desligamentos indevidos pelos aplicativos e o fim do sistema de pontuação, que serve como uma forma de delimitar e escolher certos tipos de entregas que os motoboys podem fazer.

Uma nota técnica do Ministério Público do Trabalho exige que as empresas garantam algum tipo de segurança aos profissionais de transporte de mercadorias e passageiros por aplicativos digitais. A regra é fornecer álcool em gel 70%, lavatórios com sabão e papel toalha, espaços para higienização dos veículos e água potável para o consumo próprio.

A distribuição, no entanto, não é suficiente, dizem os motoboys, fazendo com que os custos desses itens saiam do próprio bolso.

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança