Giro

Entenda porque é preciso usar máscaras mesmo depois de vacinado

Crédito: Pixabay

Infectologista afirma que o uso de máscara deve ser a última medida a ser flexibilizada (Crédito: Pixabay)

A pandemia causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) já tirou a vida de mais 605 mil brasileiros e ainda infecta cerca de 16 mil e mata, em média, 450 diariamente. Mesmo assim, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, avalia flexibilizar o uso de máscaras de forma gradual.



“A máscara tem que ser a última medida a ser flexibilizada. Enquanto registrarmos no País 15 mil casos e 300 mortes diárias, ainda são taxas elevadas. Tirar a máscara não traz nenhum grande benefício à população, que já está acostumada. É um esforço pequeno para um risco ainda grande”, afirma Renato Kfouri, infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBI).

+ Covid-19: Brasil recebe nova remessa de vacinas da Pfizer
+ Vacina da Pfizer contra Covid-19 apresenta 90,7% de eficácia em estudo com crianças

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), disse nesta quinta-feira (21) que o uso de máscaras em locais fechados será facultativo quando a cidade registrar 75% de toda sua população completamente imunizada (2 doses ou dose única da Janssen). O político diz que a flexibilização das máscaras deve começar em novembro.

Em Duque de Caxias, o prefeito Washington Reis (MDB-RJ) suspendeu o uso obrigatório da proteção em todos os lugares, a primeira cidade brasileira a abolir o uso obrigatório de máscaras. No entanto, a decisão durou por apenas dois dias até que uma decisão judicial, a pedido do Ministério Público, suspendeu a flexibilização.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



“O uso de máscaras em toda a pandemia demonstrou-se uma das medidas mais eficazes no controle da doença, já que boa parte da transmissão dos casos acontece por pessoas não sintomáticas, ou porque estão no período pré-sintomático, ou porqrue nunca irão desenvolver sintomas”, explica Kfouri.

Alguns países com a vacinação mais avançada também começaram a flexibilizar o uso de máscaras. Israel, que dispensou o uso com 58% da população vacinada, em junho, precisou retomar a obrigatoriedade. O mesmo ocorreu nos Estados Unidos. Em Portugal, a flexibilização ocorreu com mais de 80% da população totalmente imunizada.

Já o Brasil registrou 73,8% da população vacinada com a primeira dose nesta quinta-feira (21) e 51,2% de totalmente imunizados.

“A barreira física protege. Todos podem ser considerados potencialmente infectados, mesmo os vacinados, já que as vacinas são excelentes para prevenir as doenças e formas graves, mas não tão boas para prevenir infecção e transmissão. O melhor parâmetro para flexibilizar o uso de máscara são as taxas de transmissão. Quando tem muito vírus circulando, liberar (a população) do uso da máscara é muito arriscado”, enfatiza Kfouri.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto